Clique e assine a partir de 9,90/mês

França impede atentado terrorista contra mercado de Natal

Os suspeitos foram presos em Estrarbusrgo e em Marselha. O mercado de Natal de Estrasburgo anualmente recebe mais de dois milhões de pessoas

Por Da redação - Atualizado em 21 Nov 2016, 12h11 - Publicado em 21 Nov 2016, 10h09

A polícia francesa prendeu sete pessoas em uma operação antiterrorista deflagrada no fim de semana, informou a Procuradoria nesta segunda-feira. De acordo com o governo, os detidos planejavam um atentado contra o famoso mercado de Natal de Estrasburgo, que anualmente recebe mais de dois milhões de pessoas.

Os suspeitos foram presos na madrugada de sábado para domingo em Estrarbusrgo e em Marselha. Todos têm entre 29 e 37 anos de idade. São franceses, mas há um marroquino e um afegão. O mercado de Natal ocorre todos os anos e a edição de 2016 começará na próxima sexta-feira. Além dele, outro possível alvo de atentado seria uma delegacia de polícia.

Leia também
Sarkozy perde primárias e decide abandonar a política
Em Lima, Obama e Putin têm conversa tensa sobre guerra na Síria
Acidente ferroviário na Índia deixa mais de 100 mortos

O ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, confirmou em uma coletiva de imprensa que o atentado foi evitado pelas forças de segurança, mas alertou que o “nível de ameaça nunca esteve tão alta no país”. “O risco zero de atentados não pode ser garantido nunca. Quem garante isso, mente aos franceses. Fazemos de tudo, a todo momento, para prevenir estas ameaças e proteger nossos cidadãos”, disse Cazeneuve.

De acordo com o jornal Le Parisien, os detidos em Estrarburgo conheciam um dos detidos em Marselha porque haviam voltado juntos da Síria. O grupo também tinha contato com os terroristas que atacaram a casa de shows Bataclan durante a série de atentados do Estado Islâmico em 13 de novembro de 2015, em Paris.

Continua após a publicidade

As autoridades francesas monitoravam os suspeitos há semanas e constataram que eles estavam “nervosos” e “ansiosos” para receberem um “carregamento de armas”. A operação que levou à prisão dos sete suspeitos é um desmembramento das investigações iniciadas antes da Euro 2016.

(Com ANSA)

Publicidade