Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

França detém pessoas ligadas à herdeira da L’Oréal

Caso envolveu o presidente, acusado de ter recebido doações ilegais

Por Da Redação - 15 jul 2010, 16h08

A polícia da França deteve nesta quinta-feira quatro pessoas ligadas à mulher mais rica do país: a herdeira da L’Oréal, Liliane Bettencourt. As detenções são parte de uma investigação sobre evasão fiscal e lavagem de dinheiro, segundo o Ministério Público.

François-Marie Barnier, amigo íntimo de Liliane; Patrice de Maistre, gestor da fortuna dela; Fabrice Goguel, seu advogado tributarista; e Carlos Vejarano, gestor de uma propriedade dela nas ilhas Seychelles, estão sendo interrogados na sede da divisão de crimes financeiros. “Essas quatro pessoas estão sob custódia para interrogatório a respeito do conteúdo das gravações secretas”, disse a porta-voz do promotor Philippe Courroye, da localidade de Nanterre, nos arredores de Paris.

Gravações feitas por um ex-mordomo, transcritas no mês passado na imprensa, aparentemente mostram assessores de Bettencourt discutindo contas bancárias secretas na Suíça e uma ilha das Seychelles, adquirida por meio de um banco de Liechtenstein.

Barnier, fotógrafo da alta sociedade, já é réu num processo em que é acusado de se aproveitar da fragilidade da amiga, de 87 anos, para obter presentes estimados em até 1 bilhão de euros (1,28 bilhão de dólares).

Publicidade

O caso tem provocado constrangimentos para o governo de Nicolas Sarkozy, por causa das acusações, feitas por uma ex-contadora de Bettencourt, de que a bilionária e seu falecido marido teriam feito doações ilegais para políticos conservadores. O partido de Sarkozy teria recebido 150.000 euros em dinheiro durante a campanha presidencial, em 2007.

(Com agência Reuters)

Publicidade