Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

França abre os arquivos de sua colaboração com a Alemanha nazista

Somente em 1995 o governo francês reconheceu a responsabilidade do Estado na deportação de 80.000 judeus para campos de extermínio nazistas. Documentos eram sigilosos

Por Da Redação 30 dez 2015, 13h29

A França derrubou um dos tabus sobre sua colaboração com a Alemanha nazista durante a II Guerra Mundial ao decidir pela abertura pública dos arquivos do regime colaboracionista de Vichy. “Acabamos com o medo do escândalo. Assumimos os fatos. Podemos entender melhor” o que aconteceu, aplaudiu o presidente da Associação dos Arquivos Nacionais, Gilles Morin, depois que o governo francês decidiu abrir quase todos os arquivos da polícia e da Justiça entre junho de 1940 e julho de 1944.

Durante esse período, a Alemanha nazista ocupou o norte da França, e o marechal Philippe Pétain liderou a “zona livre” a partir de Vichy, uma cidade no centro do país, onde estabeleceu uma política de colaboração com o ocupante, o que levou as autoridades locais a participar nos ataques maciços contra a população judaica. Essa política causou entre 10.000 e 15.000 mortes em território francês e 80.000 deportações de civis – sendo que menos da metade sobreviveu aos horrores dos campos de concentração nazistas.

Leia também

China celebra os 70 anos da derrota do Japão na II Guerra

Premiê japonês se desculpa pelas agressões do Japão na II Guerra

Continua após a publicidade

Bomba da II Guerra faz polícia evacuar bairro de Londres

Ainda durante a guerra, valendo-se das ações da resistência liderada pelo general Charles de Gaulle, a França se impôs do lado vencedor, conseguiu um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU e integrou as tropas da aliança que derrotou a Alemanha. Na história francesa, o regime de Vichy é comumente descrito como “um parêntesis”, um período vergonhoso e desconectado da República Francesa.

Foi preciso esperar até 1995 para que o governo francês liderado por Jacques Chirac reconhecesse a responsabilidade do Estado na deportação de 80.000 judeus para campos de extermínio nazistas. “Este tempo passou. As gerações envolvidas na II Guerra Mundial já se foram. Não é mais uma questão política quente, podemos reabrir os arquivos sem risco”, afirma a historiadora Annette Wieviorka.

Foi o atual presidente, Francois Hollande, nascido depois da guerra, que anunciou a abertura dos arquivos em 8 de maio, durante o 70º aniversário do fim da II Guerra Mundial, para combater “as pragas que nos ameaçam: o revisionismo, a alteração da memória, o esquecimento”. Além do Estado francês, estima-se que entre 150.000 e 200.000 franceses foram “colaboradores diretos” e centenas de milhares de pessoas se “adaptaram confortavelmente” à situação, lembra Denis Peschanski, do Centro Francês de Pesquisa Científica (CNRS). Apesar deste avanço, a França segue sem previsão de abertura dos arquivos das guerras na Indochina e na Argélia – conflitos amplamente estudados em que o Exército francês praticou sistematicamente práticas de tortura contra prisioneiros, violando tratados internacionais.

O ditador nazista Adolf Hitler posa diante da torre Eifel, em junho de 1940, logo após a ocupação da capital francesa
O ditador nazista Adolf Hitler posa diante da torre Eifel, em junho de 1940, logo após a ocupação da capital francesa VEJA

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade