Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Forças iraquianas entram em Mosul, a ‘capital do califado’

Mosul é a segunda maior cidade o Iraque e está sob os domínios do Estado Islâmico desde junho de 2014

As forças iraquianas conseguiram entrar na cidade de Mosul pela frente oriental, onde ocorrem intensos combates com os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) no bairro de Kukyeli, informou nesta terça-feira o chefe das forças antiterroristas iraquianas, Abdelgani al Asad. Mosul é a segunda maior cidade o Iraque e está sob os domínios do Estado Islâmico desde junho de 2014. O chefe do grupo terrorista, Abu Bakr al-Baghdad, declarou Mosul a capital do califado.

A batalha para libertar Mosul envolve grande variedade de forças iraquianas e internacionais. Estas forças combatem entre 4.000 e 7.000 extremistas ativos em Mosul e seus arredores. Entre as tropas há o Comando Antiterrorista Iraquiano (CTS), força de elite de reputação sólida, esteve na linha de frente na maioria das batalhas contra o EI; o Exército iraquiano; a polícia; peshmergas curdos; e a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

Leia também
Crianças iraquianas estão isoladas pela guerra e morrem de fome
Ex-escravas sexuais do EI ganham Prêmio Sakharov 2016
ONU recebe relatos de atrocidades cometidas pelo EI em Mosul

Patrimônio em risco — O rico patrimônio iraquiano, já severamente danificado pela campanha de vandalismo e destruição do grupo extremista Estado Islâmico, corre o risco de sofrer novas destruições. Em 2014, depois de se apoderar de Mosul, o EI destruiu o museu onde se encontravam objetos inestimáveis das épocas assíria e helenística.

O grupo extremista também atacou as cidades antigas de Hatra e Nimrud, perto de Mossul, e mostrou a sua destruição em vídeos. “Segundo nossas informações, o E) está presente nos sítios arqueológicos”, declarou Ahmed al Asadi, porta-voz das Hashd al Shaabi, uma coalizão de milícias xiitas apoiadas pelo Irã.

(Com agência EFE)