Clique e assine a partir de 9,90/mês

Forças de segurança são alvo de ataques no Egito

Ao menos onze soldados e policiais morreram e 50 pessoas ficaram feridas em dois ataques registrados nesta manhã. Domingo foi sangrento no país

Por Da Redação - 7 out 2013, 08h03

Após um domingo sangrento no Egito, em que foram registradas ao menos cinquenta mortes em confrontos entre forças de segurança e apoiadores dos fundamentalistas da Irmandade Muçulmana, a segunda-feira é marcada por novos conflitos no país. Membros das forças de segurança egípcias foram alvos de ataques em diversas localidades, de acordo com a rede britânica BBC. Onze soldados e policias morreram.

Na cidade de Ismailia, seis soldados e policiais foram mortos enquanto patrulhavam nos arredores do Canal de Suez, segundo autoridades de segurança. O outro ataque se deu na cidade de Al Arish, capital do Sinai do Norte, onde cinco militares morreram após a explosão de um carro-bomba na sede da Direção da Segurança Central da província. Cinquenta pessoas ficaram feridas.

No domingo, dia que marcou o 40º aniversário da guerra de 1973 contra Israel, os islamitas convocaram protestos em todo o país com o objetivo, na capital, de chegar à Praça Tahrir, cercada por policiais e soldados das forças governamentais. Ao mesmo tempo, aliados das Forças Armadas e favoráveis à derrubada do ex-presidente Mursi chamaram seus seguidores a sair às ruas.

Milhares de pessoas se concentraram para demonstrar apoio à gestão do Exército na Praça Tahrir, que foi sobrevoada por quatro helicópteros que levavam bandeiras do Egito e por caças da Força Aérea.

Continua após a publicidade

O conflito de 1973 – conhecido como Guerra de Outubro, nos países árabes, e Guerra de Yom Kippur, no Estado hebreu – é lembrado com orgulho no Egito. Junto com as forças sírias, os egípcios conseguiram surpreender as defesas israelenses durante a celebração do Yom Kippur (o Dia do Perdão), em Israel.

(Com agência EFE)

Publicidade