Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Filho de brasileiros, deputado dos EUA se declara inocente de 23 acusações

As novas acusações de George Santos incluem usar o cartão de crédito de doadores de campanha sem consentimento e a falsificação de um empréstimo

Por Da Redação
27 out 2023, 15h36

O deputado americano George Santos, filho de imigrantes brasileiros, se declarou inocente de 23 acusações de corrupção nesta sexta-feira, 27. Promotores dos Estados Unidos incluíram outros crimes, como roubo de identidade e de cartões de crédito de doadores de campanha, em um processo anterior mais brando, com 13 acusações.

Santos apresentou seu apelo à juíza distrital americana Joanna Seybert, de Nova York, e seu julgamento está previsto para 9 de setembro de 2024. Em maio, o deputado já havia se declarado inocente das 13 acusações anteriores, incluindo lavagem de fundos de campanha para pagar suas despesas pessoais, recebimento ilegal de seguro-desemprego e mentira à Câmara dos Deputados sobre seu patrimônio.

As acusações adicionais afirmam que ele usou cartões de crédito de doadores de campanha sem o consentimento deles, além de relatar um empréstimo falso para sua candidatura, de US$ 500 mil (R$ 2,4 milhões).

+ Filho de brasileiros, deputado dos EUA sofre novas acusações por fraude

O deputado, que busca a reeleição em 2024, negou ter qualquer envolvimento com as finanças da sua campanha e afirma que a culpa das irregularidades deveria ser atribuída a Nancy Marks, sua antiga tesoureira.

Marks já se declarou culpada por fraude e admitiu que fez parte do esquema de falsificação dos registros de doação e do empréstimo fictício. No entanto, os promotores acreditam que Santos também participou do esquema criminoso.

+ A longa lista de mentiras contadas por George Santos nos Estados Unidos

A declaração de Santos ocorre um dia depois que o republicano Anthony D’Esposito, de Long Island, pediu que a Câmara expulsasse o deputado pelo motivo de “não estar apto para servir seus eleitores”. A medida, porém, requer uma votação, e sua aprovação depende do apoio de dois terços dos deputados. Ou seja, 290.

Nas redes sociais, Santos afirmou que não pretende renunciar ao cargo e tem “direito ao devido processo e não a um resultado predeterminado, como alguns buscam”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.