Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fifa deve banir Irã da Copa por violar direitos das mulheres, diz grupo

Organização de direitos humanos Open Stadium alertou que muitas mulheres são proibidas de entrar em estádios; Pedido ocorre em meio a protestos no Irã

Por Da Redação
30 set 2022, 09h39

O Open Stadiums, um grupo de direitos humanos, pediu à Fifa nesta sexta-feira, 30, para banir o Irã da Copa do Mundo deste ano, porque o regime tem a prática de impedir mulheres de assistirem a jogos de futebol em seu próprio país.

O grupo disse que o país não deveria ser autorizado a competir enquanto “as mulheres iranianas continuam barradas do nosso ‘lindo jogo'” por autoridades, mesmo que, há poucas semanas, as iranianas tenham sido autorizadas a assistir uma partida doméstica pela primeira vez desde 1979.

“As mulheres iranianas não confiam nem nas autoridades da República Islâmica nem na Federação Iraniana de Futebol de que o estádio Azadi continuará aberto a elas após a conclusão da Copa do Mundo de 2022, em 18 de dezembro”, disse o Open Stadiums em carta aberta ao presidente da Fifa, Gianni Infantino.

O grupo também argumenta que mesmo quem viajar ao Catar para assistir a partidas corre o risco de entrar em conflito com as autoridades iranianas, já que espiões do estado podem acompanhar a viagem.

+ O uniforme de ‘protesto’ da Dinamarca na Copa do Mundo do Catar

Continua após a publicidade

Proibir as mulheres de assistir jogos vai contra as regras internacionais do futebol, aponta a carta, argumentando que a Fifa deveria “expulsar imediatamente o Irã da Copa do Mundo de 2022 no Catar” como resultado.

Sites de notícias iranianos relataram especulações de que as mulheres foram autorizadas a assistir a uma partida em agosto, depois que a Fifa enviou uma carta às autoridades do país. A Fifa já havia dito à BBC que não “desviaria os olhos” do assunto.

Não há proibição oficial de mulheres irem a eventos esportivos no Irã, mas é raro que isso aconteça, porque sua entrada é, na maioria das vezes recusada.

Antes disso, as mulheres haviam sido efetivamente impedidas de participar de partidas domésticas masculinas, devido à desaprovação do clero sob o regime muçulmano xiita. As mulheres compareceram a várias partidas internacionais, incluindo uma em março deste ano.

Continua após a publicidade

+ Irã acumula 41 mortos em 10 dias de protestos contra repressão às mulheres

O grupo de direitos humanos, que luta pela igualdade de acesso ao esporte no Irã, também afirmou na carta que os membros do time de futebol que vão para o Catar no final deste ano foram proibidos de falar sobre os protestos mortais que atualmente abalam o país. Eles foram desencadeados pela morte de uma jovem, Mahsa Amini, sob custódia da polícia, depois que ela foi detida pela polícia da moralidade por usar o hijab “incorretamente”.

A carta aponta que o centro de detenção onde ela morreu é o mesmo “para onde as torcedoras geralmente são levadas e torturadas se ousam tentar assistir a um jogo de futebol”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.