Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

FAO denuncia que há milhões de pessoas ameaçadas de fome no Sudão do Sul

Por Da Redação 8 fev 2012, 09h01

Roma, 8 fev (EFE).- Milhões de pessoas sofrem a ameaça da fome no Sudão do Sul por não haver uma medida de urgência conforme relatório conjunto publicado nesta quarta-feira pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA).

O documento indicou que o nível de insegurança alimentar cresceu rapidamente. O número de pessoas nessa situação passou de 3,3 milhões em 2011 para 4,7 milhões em 2012, dos quais cerca de 1 milhão de forma grave, em comparação com as 900 mil de 2011.

Se o conflito se prolongar e o deslocamento da população e os preços continuarem subindo – acrescentou o relatório -, o número de pessoas atingidas poderá dobrar.

‘É uma crise que se aproxima com rapidez e o mundo não pode ignorar isso’, afirmou o diretor do PMA no Sudão do Sul, Chris Nikoi.

‘A situação é desoladora, e estamos tentando fazer todo o possível para estarmos preparados, mas já não há tempo’, acrescentou.

Continua após a publicidade

A escassez de chuva no começo da estação agrícola afetou diretamente a colheita, que encolheu, além do conflito em curso que agrava o problema, indicou o relatório.

O documento detalhou que o limitado fornecimento de alimentos coincide com o aumento da demanda pelo fluxo de sudaneses que retornam para as suas terras a partir do Norte e os que fogem das zonas de conflito.

Em circunstâncias normais, supermercados que funcionassem corretamente teriam suportado a combinação de abastecimento insuficiente de alimentos e o aumento da demanda.

De acordo com o estudo, no entanto, o fechamento das passagens de fronteira entre o novo país e o Sudão interrompeu o fornecimento habitual de alimentos básicos para os supermercados do Sudão do Sul. EFE

cps/mj-dm

Continua após a publicidade
Publicidade