Clique e assine a partir de 9,90/mês

Exército americano passa a aceitar homossexuais assumidos

Lei de 1993 vetava o ingresso de gays nas Forças Armadas

Por Da Redação - 20 Oct 2010, 03h16

O Governo dos Estados Unidos anunciou hoje que aceitará solicitações de ingresso às Forças Armadas por parte de pessoas que se declarem homossexuais, o que está proibido desde 1993 por uma lei que impede os militares de expressarem abertamente sua condição sexual, segundo a “CNN”.

O anúncio do Pentágono aconteceu depois que uma juíza federal ordenou, na semana passada, que o Governo deixasse de acatar a lei, denominada “Don’t Ask Don’ Tell”, declarada inconstitucional pelos tribunais.

O Pentágono emitiu na sexta-feira a ordem sobre esse mandato judicial aos comandos encarregados de recrutar novos soldados, segundo confirmou hoje a porta-voz do Departamento de Defesa Cynthia Smith.

Pela nova lei, quem se declarar homossexual, mas preencher os requisitos para ser recrutado, poderá integrar as Forças Armadas do país.

Continua após a publicidade

Além disso, os encarregados pelo processo não poderão indagá-los sobre sua orientação sexual.

No entanto, o Pentágono especifica que os comandos de recrutamento devem advertir aos solicitantes que podem haver mudanças no futuro se outra sentença judicial mudar novamente a lei.

O presidente Barack Obama se comprometeu a mudar a medida durante sua campanha em 2008.

No entanto, o Governo de Obama apresentou um recurso para adiar o bloqueio emitido pela juíza Virginia Philips, pois sustenta que a lei deve ser suspensa pelo Congresso, apesar de recentemente o debate ter ficado paralisado no Senado.

Continua após a publicidade

Ele argumentou que as missões de combate americanas no exterior vivem um momento crítico, por isso que não seria a ocasião ideal para uma mudança na lei.

Mesmo assim, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, afirmou que o Pentágono iria emitir uma série de instruções aos comandantes das tropas para que saibam como agir em relação à ordem judicial.

(com Agência EFE)

Publicidade