Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ex-presidente da Bolívia Jeanine Anez segue estável após tentar suicídio

Ela está presa e é acusada de genocídio por repressão a protestos em 2019

Por Ernesto Neves Atualizado em 23 ago 2021, 15h48 - Publicado em 23 ago 2021, 15h39

A ex-presidente da Bolívia Jeanine Anez, de 54 anos, tem estado de saúde estável após tentar suicídio no último sábado (21).

Anez está presa sob acusação de genocídio pela repressão a manifestantes em 2019. “Podemos dizer, sem dúvida, que sua saúde está estável”, afirmou Juan Carlos Limpias, diretor da penitenciária em que a líder política está detida. 

“No momento, Anez está com a família na penitenciária. A família será um fator importante para ajudar a melhorar seu estado de espírito ”, acrescentou.

Filha Anez, Carolina Ribera afirmou à imprensa que sua mãe tentou tirar a vida devido a uma “forte depressão”. O estado de saúde, afirma Ribera, foi desencadeado pela prisão prolongada.

Já a advogada da ex-presidente, Norma Cueller, disse que a tentativa de suicídio foi um “grito de socorro” e que “ela se sente muito assediada”.

Anez foi detida no início do ano sob acusação de ter participado de um golpe de estado em 2019 com o objetivo de destituir o ex-presidente Evo Morales. Ela nega as acusações e afirma ser vítima de perseguição política. 

Na última sexta-feira (20),  o procurador-geral da Bolívia, Juan Lanchipa, anunciou acusações de “genocídio” contra Anez. Ela teria ordenado violenta repressão a manifestantes em dois incidentes ocorridos em 2019, quando 22 pessoas morreram.

Lanchipa apresentou documentos em que classifica a ação das forças de segurança como “genocídio, lesões graves e leves e lesões seguidas de morte”.

Continua após a publicidade
Publicidade