Clique e assine a partir de 9,90/mês

EUA veem ‘atividades russas’ em protestos no Chile

Trump ligou para o presidente chileno, Sebastián Piñera, para expressar seu apoio em meio a onda de protestos que já deixou ao menos 20 mortos no país

Por Da Redação - Atualizado em 1 nov 2019, 10h28 - Publicado em 1 nov 2019, 01h24

O governo americano revelou, nesta quarta-feira 31, que Donald Trump ligou para o presidente chileno, Sebastián Piñera, para expressar seu apoio em meio a onda de protestos que atinge o país sul-americano. Trump denunciou que há “esforços estrangeiros para minar as instituições” no país. Mais tarde, um funcionário do Departamento de Estado que pediu para não ser identificado declarou que há indicações de “atividades russas” na onda de manifestações que já deixou ao menos 20 mortos.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, declarou na semana passada que há um “padrão” de desestabilização em protestos que ocorreram na Colômbia e no Equador e depois no Chile. Almagro atribuiu a Cuba e Venezuela a responsabilidade pelas grandes mobilizações contra os governos na região.

O governo chileno se reuniu nesta quinta-feira 31 com a oposição para buscar uma saída consensual da crise social sem precedentes no país, mas o encontro não convenceu os partidos da esquerda.

A maior crise registrada no Chile desde o retorno à democracia levou o presidente do país, Sebastián Piñera, a cancelar na quarta-feira a reunião de líderes do fórum econômico da Apec e a cúpula climática da ONU COP-25, que seriam realizadas em algumas semanas na capital Santiago. A decisão teve um grande impacto no turismo e comércio, áreas afetadas por duas semanas de manifestações, várias delas muito violentas.

Ao contrário do primeiro encontro organizado três dias após o início dos protestos, no dia 18 de outubro, o governo de Piñera não excluiu nenhum partido representado no Parlamento, entre eles o Partido Comunista, que não participou da reunião no palácio presidencial.

Após duas horas de deliberações, Álvaro Elizalde, presidente do Partido Socialista, o principal grupo da oposição, garantiu que “não existe disposição para ouvir as demandas dos cidadãos”. Já o líder do Partido Pela Democracia (PPD), Heraldo Muñoz, disse que não há “sinais claros ainda a favor do diálogo”.

Com um perfil mais aberto ao diálogo do que seu antecessor, o novo ministro do Interior, Gonzalo Blumel, assumiu a missão de liderar o diálogo político destinado a encontrar uma saída para a crise social, que gerou uma queda na popularidade de Piñera.

Continua após a publicidade

Blumel, que foi empossado na segunda-feira passada após uma reforma ministerial comandada por Piñera, disse à imprensa que durante o encontro se definiu com a oposição chegar a “um entendimento, idealmente nos próximos dias, nas próximas semanas”.

Também anunciou que o governo se mostrou disposto, pela primeira vez, a revisar um projeto de reforma tributária já enviado ao Congresso para substituir uma reforma aprovada durante o último governo da socialista Michelle Bachelet (2014-18) e que, na opinião dos opositores, significava reduzir a cobrança de impostos aos mais ricos.

Em relação à mudança da Constituição em vigor desde a ditadura de Augusto Pinochet, considerada como uma das saídas para a crise, Blumel afirmou: “O governo não descarta qualquer opção, mas nos parece importante, em primeiro lugar, realizar esse amplo processo de diálogo participativo”.

As manifestações prosseguiram nesta quinta-feira, com milhares de chilenos na Praça Itália, no centro de Santiago, usando máscaras de Halloween e trajes de alienígenas, uma referência à declaração de Cecilia Morel, mulher do presidente Sebastián Piñera, que qualificou a atual situação do Chile de “invasão alienígena”.

Mais cedo, centenas de manifestantes caminharam pela Alameda – principal avenida de Santiago – até o palácio presidencial de La Moneda, onde foram reprimidos pela polícia com jatos d’água e bombas de gás lacrimogêneo.

Acuado pelos protestos, Piñera cancelou a organização da reunião dos líderes do fórum da Apec – que contaria com a participação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump – e a cúpula climática da COP25 das Nações Unidas, que reuniria cerca de 25 mil delegados em Santiago, em um momento em que a discussão sobre a redução das emissões de carbono capturam a atenção global.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade