Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA: Lindsey Graham é o quarto senador republicano a entrar na corrida presidencial

Eleito pelo Estado da Carolina do Sul, o político ressaltou a experiência que acumulou na política externa e atacou a postulante democrata Hillary Clinton

O senador Lindsey Graham, da Carolina do Sul, se tornou nesta segunda-feira o nono político a anunciar formalmente o desejo de se candidatar à presidência dos Estados Unidos pelo partido Republicano. Graham, de 59 anos, ressaltou em seu discurso que possui experiência na política externa e aproveitou a oportunidade para atacar a ex-secretária de Estado Hillary Clinton, principal postulante democrata na corrida presidencial. “Eu tenho mais experiência com nossa segurança nacional do que qualquer outro candidato nesta disputa. Isso inclui você, Hillary”, afirmou.

Leia também:

Ex-governador bombado anuncia pré-candidatura à Casa Branca

Conservador Rick Santorum volta a concorrer à Presidência dos EUA

George Pataki é o oitavo candidato republicano à Presidência dos EUA

Graham é o quarto senador a entrar na disputa das primárias republicanas. Ted Cruz, do Texas, Marco Rubio, da Flórida, e Rand Paul, do Kentucky, já haviam anunciado suas candidaturas anteriormente. Eleito em 1994, Graham foi reconduzido ao cargo duas vezes. Ele preside subcomitês do Senado ligados à segurança nacional e viajou diversas vezes nos últimos anos para tratar de interesses dos Estados Unidos no exterior.

O político prometeu que buscará um “governo limitado e efetivo” caso seja eleito. Ele também destacou que os Estados Unidos “nunca alcançarão uma coexistência pacífica com os radicais islâmicos”. “Eu quero ser presidente para derrotar aqueles que estão tentando nos matar. Não quero somente penalizá-los, ou contê-los. Eu quero derrotá-los”, afirmou.

Leia mais:

Guerra do Iraque é vista como um erro por postulantes à Casa Branca

E-mails mostram que Hillary sabia de ameaças contra americanos na Líbia

Graham é um ferrenho opositor da forma como a administração de Barack Obama tem conduzido a política externa americana. Recentemente, ele classificou a reaproximação diplomática entre Estados Unidos e Cuba como “uma ideia incrivelmente ruim”.