Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

EUA estudam impor zona de exclusão aérea sobre a Síria

Escalada das tensões na fronteira com a Turquia aumentou a preocupação dos americanos com o risco do conflito se espalhar para outros países da região

Por Da Redação 18 out 2012, 04h13

Preocupados com a escalada das tensões entre Síria e Turquia e com a crescente brutalidade do regime de Bashar Assad contra a população, os EUA estudam a possibilidade de impor uma zona de exclusão aérea sobre o país, assim como ocorreu durante o conflito líbio no ano passado.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

“Continuamos mirando todas as opções para colocar um fim à violência”, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado americano, Victoria Nuland. Em entrevista coletiva, ela não descartou a imposição de uma zona de exclusão aérea na região do conflito – proposta que tem o apoio de diversos congressistas americanos -, mas deixou claro que nenhuma decisão sobre o tema havia sido tomada ainda.

Nuland também expressou preocupação com a constante troca de bombardeios entre Turquia e Síria nos últimos dias. “Isto é extremamente perigoso e ressalta nossas advertências sobre o risco deste conflito ultrapassar as fronteiras”, afirmou.

Continua após a publicidade

Leia também:

Turquia x Síria: os próximos capítulos da crise diplomática

Rebeldes derrubam helicóptero em região-chave da Síria

As ambições escusas da Turquia, entre Ocidente e Oriente

Auxílio – Até agora, os EUA responderam ao conflito com 132 milhões de dólares em ajuda humanitária e quase 45 milhões em assistência “não letal” à oposição política não armada dentro e fora do país. De acordo com alguns relatórios, no entanto, os americanos também ajudam no fornecimento de armas para os rebeldes sírios por intermédio de outros países, como Arábia Saudita e Qatar.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade