Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA e Rússia assinam acordo para segurança aérea na Síria

O memorando estabelece uma distância segura entre aeronaves dos dois países durante os bombardeios que realizam em território sírio

Os Estados Unidos e a Rússia assinaram nesta terça-feira um memorando de entendimento que estabelece medidas de segurança com objetivo de evitar possíveis acidentes entre as forças aéreas das duas nações. Segundo o acordo, os pilotos de ambos os países devem informar claramente suas posições durante os bombardeios que realizam sobre a Síria, informou o Pentágono.

“Com as assinaturas de hoje, o memorando de entendimento já está em vigor”, afirmou o porta-voz do Pentágono, Peter Cook, acrescentando que o texto “foi assinado há pouco tempo, hoje cedo”. Separadamente, a imprensa russa informou que um memorando foi assinado para evitar incidentes e estabelecer uma distância segura entre os aviões dos dois países no céu sírio. Contudo, não especificou qual foi a distância mínima acordada.

Leia mais:

EUA e Rússia chegam a acordo parcial sobre espaço aéreo da Síria

Apesar da ajuda russa, ditador Assad não consegue se impor sobre rebeldes

Com apoio da Rússia, Irã começa a enviar combatentes para a Síria

Na semana passada, o governo americano informou que aeronaves dos dois países “entraram no mesmo espaço de batalha” e ficaram a poucos quilômetros uma do outra, o que em velocidade supersônica pode representar sérios riscos. O porta-voz do Pentágono afirmou que o acordo, que vem sendo estudado desde o final de setembro, permanecerá em segredo a pedido de Moscou, mas será usado como uma forma de comunicação e segurança entre as nações.

Os Estados Unidos lideram uma coalizão internacional que vem realizando incursões contra o EI há mais de um ano. A Rússia, desde 30 de setembro, também realiza ataques aéreos no país e alega ter como alvo o EI e outros grupos “terroristas”. O Pentágono, no entanto, afirma que Moscou bombardeia principalmente os rebeldes que lutam contra as forças do governo do ditador Bashar Assad.

(Da redação)