Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA concedem ao Afeganistão status de aliado preferencial fora da Otan

Washington, 7 jul (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, concedeu ao Afeganistão o status de Estado aliado preferencial fora da Otan, o que permitirá reforçar a relação militar bilateral, anunciou nesta sexta-feira a Casa Branca.

A denominação ajudará os dois países a firmarem uma base em matéria de cooperação em segurança e defesa a longo prazo, explicou à Agência Efe Caitlin Hayden, uma porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (NSC, em inglês).

Poucos países contam com esse status especial, sendo esta a primeira designação concedida pelo Governo de Barack Obama.

O fato de o Afeganistão entrar para esse exclusivo grupo de países ‘simboliza nossa cada vez mais profunda aliança estratégica e nosso compromisso com a região’, assegurou Caitlin.

Em uma visita surpresa a Cabul, o presidente Obama ratificou em maio com seu colega afegão, Hamid Karzai, o acordo que marcará a cooperação estratégica entre os dois países uma vez completa a retirada das forças internacionais prevista para 2014.

Tanto Washington como Cabul querem ‘um aliança duradoura que fortaleça a soberania do Afeganistão, a estabilidade e a prosperidade, e que contribua para nosso objetivo comum de derrotar a Al Qaeda e seus filiados extremistas’, assegurou a porta-voz.

O status oferece uma série de privilégios, tais como participar de projetos conjuntos de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de programas, treinamento e a possibilidade de receber excedentes de material de defesa.

Entre os países que contam com esse regime especial estão Israel, Egito, Austrália, Japão, Coreia do Sul, Jordânia, Argentina, Nova Zelândia, Bahrein, Filipinas, Tailândia, Kuwait, Marrocos e Paquistão.

O anúncio aconteceu pouco depois da chegada a Cabul da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que se reunirá neste sábado com Karzai, antes de seguir para Tóquio, onde acontecerá no domingo a conferência de doadores do Afeganistão. EFE