Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA ameaçam retirar todas as tropas do Afeganistão

Barack Obama condiciona a permanência de um contingente limitado das tropas à assinatura de um acordo de segurança com o governo afegão

O presidente americano Barack Obama perdeu a paciência com a relutância do seu homólogo afegão, Hamid Karzai, em assinar um pacto de segurança que definiria as bases para uma missão da Aliança Atlântica ser realizada no país após a retirada das tropas dos Estados Unidos e da Otan, no fim deste ano. Segundo a rede CNN, Obama conversou ao telefone com Karzai nesta terça-feira e deixou claro que não pretende manter nenhum soldado americano no país se o acordo não for assinado. Sem a presença dos militares do Ocidente, analistas acreditam que as forças de segurança afegãs seriam incapazes de conter o avanço de grupos radicais, o que poderia afundar o país em uma complexa guerra civil.

Leia também:

Afeganistão liberta 65 prisioneiros mesmo após protestos dos EUA

Pelas costas dos EUA, Karzai negociou secretamente com Talibãs

A nova postura de Obama serve como um ultimato para Karzai assinar o acordo de segurança antes das próximas eleições presidenciais, agendadas para abril. Em um comunicado, a Casa Branca reafirmou que os Estados Unidos não permanecerão no país se o governo afegão não se mostrar disposto a colaborar. “O presidente Obama pediu ao Pentágono para colocar os planos adequados em curso para cumprir com a ordem de não manter nenhuma tropa americana no Afeganistão depois de 2014”, disse a nota. Como Karzai não pode concorrer a um terceiro mandato, um acordo com um futuro presidente não foi descartado pela Casa Branca.

Em outro pronunciamento, o secretário de defesa Chuck Hagel apoiou a decisão de Obama em “assegurar a manutenção dos planos de remove os soldados americanos do Afeganistão após 2014”. Hagel acrescentou que a situação afegã pautará a agenda dos ministros dos países membros da Otan que se encontrarão na próxima semana, em Bruxelas. O presidente, segundo Hagel, acertou em condicionar a permanência de tropas americanas “a um pacto de segurança bilateral assinado pelo governo afegão, visando garantir os direitos das nossas tropas e outros importantes elementos requeridos quando militares americanos estão em outro país.”

Leia mais:

Exército americano poderá ser o menor desde a II Guerra

A missão da Aliança Atlântica prevista no acordo seria uma forma de não entregar integralmente a segurança do Afeganistão às autoridades do país. Os Estados Unidos planejam uma operação limitada para 2015, focada no treinamento, aconselhamento e assessoramento das tropas afegãs. Caso um consenso não seja alcançado entre as partes, a retirada completa das tropas americanas poderia agravar ainda mais os conflitos internos entre os grupos radicais e as forças de segurança afegãs. Para um importante funcionário do governo Paquistanês, que pediu para não ser nomeado, “essa opção levará à guerra civil”.

O Pentágono, por sua vez, comunicou que as ordens de Obama foram bem claras quanto à relutância de Karzai. “Pela primeira vez, o comandante em chefe nos disse para planejar uma retirada completa”, disse um funcionário. Calcula-se que mais de 33.000 soldados americanos estão em solo afegão neste momento.