Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

‘Estou em um país capitalista’, diz Bolsonaro ao chegar na China

Presidente se negou a comentar política chinesa e guerra comercial com os EUA. "Queremos nos inserir sem viés ideológico nas economias do mundo", disse

Por Da Redação - Atualizado em 24 out 2019, 05h39 - Publicado em 24 out 2019, 05h35

Pouco após desembarcar em Pequim, nesta quinta-feira 24, Jair Bolsonaro disse a jornalistas que estava em um “país capitalista”. O presidente havia sido indagado sobre como seu eleitorado reagiria à sua presença em um país que há poucas semanas comemorou 70 anos da revolução comunista que formou seu atual regime. Bolsonaro reagiu afirmando que não foi a Pequim “para falar de questão política sobre a China” e se recusou a se aprofundar na questão.

O presidente disse “ser normal” o presidente chinês, Xi Jinping, ser membro do Partido Comunista Chinês. Ele se reúne com Jinping na sexta-feira, em encontro no qual fará “o que for possível para o desenvolvimento do Brasil”, disse Bolsonaro.

Questionado sobre a guerra comercial entre China e Estados Unidos, Bolsonaro adotou tom de distanciamento. “Não é uma briga nossa. Nós queremos nos inserir sem qualquer viés ideológico nas economias do mundo”, declarou.

Nesta quinta, a agenda de Bolsonaro prevê um visita à Muralha da China e a participação em uma audiência e um jantar promovidos pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, com a presença de comitiva de CEOs de empresas chinesas.

Publicidade

Bolsonaro iniciou sua viagem oficial à Ásia com passagem pelo Japão, onde participou da cerimônia de entronização do imperador Naruhito e se reuniu com o premiê local, Shinzo Abe. O presidente ainda passará por Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita antes de retornar ao Brasil.

Publicidade