Clique e assine com 88% de desconto

‘Nada pode nos abalar’, diz Xi na festa dos 70 anos da China comunista

Ao mesmo tempo, em Hong Kong, o movimento pró-democracia realiza novas manifestações, com o crescente risco de violência

Por AFP - Atualizado em 1 out 2019, 03h57 - Publicado em 1 out 2019, 01h24

O presidente Xi Jinping afirmou, nesta terça-feira 1º, que “nada” pode abalar a nação chinesa, durante o discurso de abertura das celebrações do 70º aniversário da China comunista, em Pequim.

“Nada pode fazer com que os pilares da nossa grande nação sejam abalados. Nada pode impedir que a nação e o povo chineses avancem”, declarou Xi Jinping na porta de Tiananmen, o mesmo local onde Mao Tsé-Tung proclamou a fundação da República Popular da China, em 1º de outubro de 1949.

Em seguida, Xi passou em revista as tropas a bordo de um veículo conversível.

Ao menos 15 mil soldados, centos de tanques, mísseis e aviões de combate foram mobilizados para desfilar na Praça Tiananmen para celebrar o caminho percorrido pela China desde que era um país devastado pela guerra e a pobreza até se converter na segunda maior economia do planeta.

Publicidade

O evento, sob fortes medidas de segurança, foi aberto com uma salva de 70 tiros de canhão e o içamento da bandeira nacional.

Segundo um analista baseado em Paris, o desfile exibirá novas armas, como um drone hipersônico e um míssil balístico intercontinental.

Após o desfile militar, outra marcha será realizada, com 100.000 pessoas e 70 carros, recordando as conquistas das últimas décadas. Também serão lançadas 70.000 pombas e 70.000 balões, referentes aos 70 anos do regime.

Ao mesmo tempo, em Hong Kong, o movimento pró-democracia realiza novas manifestações, com o crescente risco de violência.

Publicidade

Esta região do sul da China está passando por sua mais grave crise política desde sua devolução a Pequim em 1997.

Nos últimos quatro meses, Hong Kong é palco de manifestações quase diárias para exigir reformas democráticas e denunciar a crescente interferência de Pequim.

Um país, dois sistemas

Na segunda-feira, em uma recepção em Pequim, Xi disse que seu país “continuará a aplicar plena e fielmente o princípio de ‘um país, dois sistemas'”, bem como “um alto grau de autonomia” em Hong Kong.

Publicidade

Sob o princípio “um país, dois sistemas” – em vigor até 2047 -, Hong Kong teoricamente goza de certas liberdades indisponíveis para os cidadãos do restante da China, como liberdade de expressão, acesso irrestrito à Internet e independência judicial.

Nos últimos dias, imagens animadas com a figura do número 70, slogans e textos patrióticos que elogiam o Partido Comunista e que fazem muito sucesso nas redes sociais foram projetados nos arranha-céus de Pequim.

Nas últimas semanas, a mídia chinesa foi instruída a não divulgar notícias negativas, como acidentes ou desastres naturais, e dar prioridade à “energia positiva”, como o Partido Comunista costuma repetir.

Os protestos desta terça-feira pró-democracia em Hong Kong serão “muito, muito perigosas”, alertou a polícia do território na véspera.

Publicidade

“Os insurgentes estão aumentando seus atos de violência. A profundidade e amplitude dessa violência e seus planos mostram que estão cada vez mais se voltando para o terrorismo”, disse o superintendente da polícia John Tsé.

Publicidade