Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estados Unidos retiram as FARC da lista de terrorismo internacional

Medida ocorre cinco anos depois do acordo de paz feito entre o grupo e o governo colombiano

Por Matheus Deccache Atualizado em 30 nov 2021, 14h36 - Publicado em 30 nov 2021, 14h33

Os Estados Unidos retiraram nesta terça-feira, 30, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) da lista de organizações terroristas internacionais, permitindo que autoridades americanas possam trabalhar com membros do grupo enquanto eles continuam a sua transição para a vida política. 

A medida, anunciada pelo Departamento de Estado, ocorre mais de cinco anos após a assinatura de um acordo de paz com o governo da Colômbia. Em 2018, o grupo participou de um descomissionamento supervisionado pela ONU da última de suas armas acessíveis. 

Em comunicado nesta terça, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse que a remoção da designação de “terrorista” tornaria mais fácil para o país apoiar a implementação do acordo. A mudança, no entanto, não anula nenhuma das acusações feitas pelos americanos contra ex-líderes das FARC, inclusive por narcotráfico. 

Fundada em 1964, as Farc atuaram em uma era de violência política e devastadora no país sul-americano, realizando bombardeios, assassinatos e sequestros em nome da redistribuição de renda.

Em 1997, após mais de três décadas de confrontos com o governo local, os Estados Unidos designaram oficialmente as FARC como uma organização terrorista. 

Continua após a publicidade

Já em 2017, perto de completar um ano do acordo de paz, ex-combatentes formaram o partido político Força Alternativa Revolucionária do Comum. E em janeiro deste ano, o grupo mudou o nome para “Comunes” para se dissociar da imagem da guerrilha. 

Na prática, a remoção da lista permite a Washington apoiar programas envolvendo ex-combatentes, como a remoção de minas terrestres e a substituição de plantações ilegais.

Além disso, a mudança também faz com que agências americanas possam trabalhar em áreas onde os soldados desmobilizados das FARC estão localizados. 

Cerca de 13.000 guerrilheiros já entregaram suas armas desde a assinatura do pacto. No entanto, mais 5.000 membros se recusaram a participar do acordo e continuam a atuar em várias regiões da Colômbia. Os dois principais grupos dissidentes que se formaram a partir do original permanecem na lista de terrorismo internacional.

De acordo com o instituto de pesquisa Indepaz, além deles existem mais 90 organizações armadas em toda a Colômbia, totalizando 10.000 membros ativos.

Continua após a publicidade

Publicidade