Clique e assine com até 92% de desconto

Estado Islâmico divulga vídeo de decapitação de 10 cristãos na Nigéria

Em vídeo liberado no aplicativo de mensagens Telegram, grupo corta a cabeça de dez pessoas e atira em uma; presidente do país pede por união entre religiões

Por Da Redação 27 dez 2019, 17h31

O Estado Islâmico liberou nesta sexta-feira, 27, um vídeo que mostra o assassinato de 11 supostos cristãos na Nigéria. Segundo o grupo jihadista, o ato faz parte de sua campanha para “vingar” seu líder Abu Bakr al-Baghdadi, morto durante uma invasão dos Estados Unidos na Síria em outubro.

As vítimas, todas homens, não foram identificadas. O Estado Islâmico diz que foram “capturadas nas últimas semanas” no nordeste do estado de Borno, na Nigéria.

O grupo militante postou o vídeo em seu canal de notícias do aplicativo de mensagens Telegram na quinta-feira 26, com legendas em árabe, mas sem áudio.

As imagens mostram homens mascarados atrás dos cativos de olhos vendados. Os terroristas cortam as cabeças de 10 cristãos e depois atiram no 11º homem.

O vídeo de 56 segundos foi produzido pela “agência de notícias” IS Amaq. De acordo com a emissora britânica BBC, foi lançado propositalmente no dia 26 para coincidir com as celebrações do Natal.

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, condenou os assassinatos, e pediu que o povo nigeriano não se fragmentasse por religião: “Não devemos, em circunstância alguma, deixar que os terroristas nos dividam, colocando cristãos contra muçulmanos. Esses assassinos bárbaros não representam o Islã e milhões de outros muçulmanos cumpridores da lei em todo o mundo”.

O Estado Islâmico se separou do grupo militante Boko Haram em 2016 e tornou-se o grupo jihadista dominante da região. Insurgentes islâmicos mataram cerca de 30.000 pessoas no norte da Nigéria na última década.

Baghdadi, antigo líder do grupo, morreu durante um ataque militar dos Estados Unidos na Síria. O jihadista cometeu suicídio, utilizando um colete com explosivos, enquanto era perseguido durante a ação conduzida pelas tropas americanas.

Continua após a publicidade
Publicidade