Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Escombros encontrados no oceano Índico podem ser de avião da Malaysia Airlines

Os destroços foram encontrados a leste de Madagascar, mas ainda não foi possível confirmar se pertencem ao Boeing 777 desaparecido

Por Da Redação 29 jul 2015, 16h04

Pedaços de uma asa foram encontrados na manhã desta quarta-feira na costa da Ilha da Reunião, no oceano Índico. O território fica a leste de Madagascar, bem distante do local onde possivelmente caiu o voo MH370, da Malaysia Airlines, em 8 de março de 2014. No entanto, segundo os investigadores, ainda é muito cedo para dizer se os destroços pertencem ao Boeing 777 da companhia malaia.

Leia mais:

Matemático diz ter desvendado mistério do desaparecimento do avião da Malaysia Airlines

Malaysia Airlines está em “falência técnica” e demitirá 6.000

Viagens aéreas foram mais seguras em 2014, apesar de desastres da Malaysia Airlines

Os materiais foram achados pela Força Aérea da França, e a polícia da ilha afirma que eles aparentemente ficaram na água por volta de um ano. Segundo o jornal The Guardian, o especialista em aviação civil, Xavier Tytelman, que recebeu as fotos dos pedaços encontrados afirmou que existem semelhanças entre os escombros e um avião do tipo Boeing 777. No entanto, outros especialistas expressaram suas dúvidas em relação ao tamanho da asa encontrada, que talvez seja menor do que o esperado para um avião grande e de passageiros como o da Malaysia Airlines.

O voo MH370 desapareceu com 239 pessoas a bordo enquanto ia de Kuala Lumpur, na Malásia, a Pequim, na China. Em janeiro deste ano, o seu sumiço foi declarado oficialmente um acidente pelo governo malaio. Os investigadores acreditam que ele tenha caído no sul do oceano Índico, mas até hoje não foi descoberta nenhuma pista que ajudasse a solucionar o maior mistério da aviação civil. Apesar de todos os esforços das equipes de busca, conduzidas pela Austrália, pesquisas realizadas pela University of New South Wales sugerem que os escombros poderiam ter sido levados pelas correntes marítimas até uma zona fora da área de buscas, tão longe como, por exemplo, a costa da Ilha da Reunião.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade