Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Escola que treinou piloto da Germanwings é processada por familiares das vítimas

Andreas Lubitz, que provocou o acidente que matou 150 pessoas no ano passado, frequentou o Centro de Treinamento de Linha Aérea do Arizona

Por Da Redação 13 abr 2016, 19h26

Mais de 80 famílias das vítimas fatais do voo 9525 da Germanwings entraram com uma ação contra a escola de aviação americana em que o copiloto Andreas Lubitz treinou. O acidente que terminou na morte de 150 pessoas foi provocado por um ato suicida de Lubitz nos Alpes franceses, no dia 24 de março de 2015. O processo que foi encaminhado a um tribunal em Phoenix tem como alvo o Centro de Treinamento de Linha Aérea do Arizona. A ação alega que o instituto deve ser responsabilizado pelas perdas, já que não teve êxito em detectar os problemas médicos do piloto.

Leia mais:

Copiloto da Germanwings ensaiou seu suicídio em voo anterior

Lufthansa não informou transtornos psíquicos de copiloto a autoridades, diz jornal

Gravação revelaria momentos que antecederam queda de Airbus da Germanwings

Enquanto fazia o curso preparatório da Lufthansa, que pertence ao mesmo grupo que comanda a Germanwings, Lubitz teria sido suspenso de suas atividades acadêmicas por aproximadamente dez meses para tratamento de depressão. Em 2010, após retornar à Lufhtansa com diagnóstico de que havia se curado e que não precisava de medicações, foi enviado aos EUA para reiniciar o treinamento aéreo.

A ação lembra que autoridades alemãs rejeitaram os pedidos de admissão de Lubitz em duas ocasiões devido a seu histórico de depressão. Em julho de 2009, emitiram certificado médico que incluía restrições e pedidos de invalidez caso apresentasse recaídas. De acordo com a peça, se a escola do Arizona tivesse analisado a restrição médica ao piloto, teriam visto que ele havia sido hospitalizado com diagnóstico de depressão e tratado com medicamentos que o proibiam de voar.

Para o advogado Marc S. Moller, que representa o lado dos familiares, havia evidências claras de que o piloto não estava qualificado para exercer a profissão. “O histórico de depressão particular de Lubitz e de instabilidade mental fez dele uma bomba-relógio suicida, sendo acionada quando sob estresse do dia-a-dia e de seu trabalho enquanto piloto”, disse. O presidente da escola, Matthias Kippenberg, e a Lufthansa não responderam aos pedidos de esclarecimento.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade