Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Encanador dos EUA descobre que seu carro foi parar nas mãos de jihadistas na Síria

Mark Oberholtzer decidiu processar a revendedora de veículos que vendeu seu carro após imagens da caminhonete circularem na internet

Por Da Redação 16 dez 2015, 14h21

Um encanador americano está processando uma empresa texana de compra e venda de veículos após descobrir por fotos que sua antiga caminhonete, vendida para a revendedora, está sendo utilizada por jihadistas na Síria. A imagem, que circulou pelo Twitter, foi supostamente tirada na cidade de Aleppo, e mostra a caminhonete preta sendo usada por membros das Brigada Muhajireen, um grupo terrorista que luta contra o governo sírio e que já foi ligado ao Estado Islâmico (EI). A imagem circulou na internet há um ano, em dezembro de 2014, mas o processo contra a revendedora de veículos só foi revelado nesta semana.

O antigo proprietário do veículo, Mark Oberholtzer, recebeu diversas ameaças por causa da imagem, na qual era possível ler perfeitamente o nome da empresa de encanamento, Mark-1 Plumbing, e um número de telefone dos Estados Unidos no grande adesivo fixado na porta da caminhonete. Na fotografia, o veículo está sendo dirigido por uma pessoa de rosto coberto, enquanto outro terrorista na traseira dispara uma metralhadora.

Leia também:

Alemanha participa pela primeira vez de ataque contra EI na Síria

Obama diz que EUA atingirão Estado Islâmico ‘mais forte do que nunca’

Três explosões provocadas pelo Estado Islâmico deixam ao menos 50 mortos na Síria

Mark, que mora no Texas, decidiu processar a AutoNation Ford Gulf Freeway e pede indenização de 1 milhão de dólares (3,9 milhões de reais). Segundo ele, um funcionário da revendedora o impediu de retirar o adesivo com a publicidade de sua empresa antes de vender o veículo em outubro de 2013, garantindo que seria retirado antes da revenda. Posteriormente, o carro foi leiloado e acabou sendo enviado para a Turquia.

O encanador só descobriu que o adesivo não havia sido retirado da caminhonete em dezembro de 2014, quando a imagem dos jihadistas dirigindo o veículo foi usada como propaganda do grupo conhecido como Brigada Muhajireen e circulou no Twitter. “Eu nunca saberei como meu carro acabou na Síria. Eu só quero esquecer isso”, disse Mark ao jornal local Galveston County Daily News. Ele afirma que foi assediado e ameaçado de morte e violência após a publicação da foto. “No final do mesmo dia, o telefone do escritório, o telefone comercial e o telefone celular pessoal de Mark receberam mais de 1.000 ligações de todo o país”, diz o processo contra a revendedora de veículos.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade