Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Embaixada da Rússia na Síria é atingida por morteiros

Um grupo de pessoas estava próximo do local se manifestando em manifestação de apoio à intervenção russa no país árabe. Moscou classificou o ataque como um ato de terrorismo

Por Da Redação 13 out 2015, 08h19

A Embaixada da Rússia em Damasco, capital da Síria, foi atacada nesta terça-feira com disparos de morteiros. Funcionários da delegação diplomática que conversaram com as agências internacionais relataram que o ataque não deixou vítimas. “Pelo menos dois morteiros atingiram a área externa do prédio da Embaixada”, disse um dos diplomatas sem revelar seu nome.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), ONG sediada em Londres que monitora o conflito na Síria, também confirmou que dois foguetes caíram hoje nos arredores do edifício diplomático russo, localizada no bairro central de Al Mazra, área nobre da capital síria. Segundo o OSDH, o ataque coincidiu com a presença na região de um grupo denominado Partidários da Intervenção Rússia no país árabe.

Leia também

EUA entregam 50 toneladas de munição aos rebeldes sírios

Estado Islâmico é o principal suspeito do atentado na Turquia, diz premiê

Continua após a publicidade

Apesar dos ataques aéreos russos, Estado Islâmico avança na Síria

A agência russa RIA Novosti reporta que, segundo testemunhas, projéteis caíram nas imediações do edifício diplomático, onde algumas pessoas participavam de uma concentração em apoio à intervenção aérea que a Rússia iniciou há mais de duas semanas na Síria. Nos ataques, “várias pessoas” ficaram feridas – um número preciso não foi divulgado.

Moscou afirma que seu objetivo com os bombardeios na Síria é combater os terroristas do Estado Islâmico (EI), mas o Ocidente afirma que a maioria dos ataques atingiu grupos rebeldes que lutam tanto contra o EI como para derrubar o ditador sírio Bashar Assad. O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse nesta terça que Moscou considera o ataque à embaixada do país em Damasco um ato terrorista, “provavelmente com o objetivo de intimidar os apoiadores da luta contra o terrorismo”.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade