Clique e assine com até 92% de desconto

Em vídeo, homem baleado por policial nos EUA diz que ‘dói respirar’

Tiros disparados em 23 de agosto contra as costas de Jacob Blake geraram onda de protestos em Wisconsin; duas pessoas morreram em manifestações

Por Da Redação Atualizado em 7 set 2020, 11h56 - Publicado em 7 set 2020, 11h38

Em uma mensagem em vídeo gravada na cama do hospital em que se recupera, Jacob Blake, homem negro baleado nas costas por um policial branco em Wisconsin, Estados Unidos, afirmou que “dói respirar” e que sente constantes dores. Apesar dos ferimentos, que provavelmente o deixarão paraplégico, ele disse que “há muito mais vida para se viver”.

ASSINE VEJA

Os riscos do auxílio emergencial Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com Queiroz
Clique e Assine

“Eles podem tirar sua vida assim (estalar de dedos), cara, e não apenas sua vida, suas pernas – algo que você precisa para andar e continuar a vida”, disse Blake no vídeo postado no sábado por seu advogado, Ben Crump. 

“Vinte e quatro horas, as 24 horas eu tenho dor, apenas dor”, disse. “Dói respirar, dói dormir, dói quando sou virado, dói para comer”, contou no vídeo, que foi visto mais de 1 milhão de vezes e teve cerca de 60.000 curtidas no Twitter.

Blake, de 29 anos, foi ferido por um policial branco que atirou contra as costas do jovem sete ou oito vezes quando ele entrava em seu carro, no qual três de seus filhos estavam, no dia 23 de agosto, em Kenosha, no estado de Wisconsin.

Continua após a publicidade

A ação foi filmada por transeuntes e os dois policiais que tentaram prender Blake foram suspensos.

Três meses após a morte de George Floyd, os tiros contra Blake geraram uma nova onda de manifestações em várias cidades, mobilizando milhares de pessoas. 

Os protestos de Kenosha começaram pacificamente na noite em que Blake foi baleado, mas a violência aumentou nas noites seguintes. Em 25 de agosto, duas pessoas morreram nas manifestações. Kyle Rittenhouse, jovem branco de 17 anos, foi detido e acusado pela morte de duas pessoas após disparar um rifle semiautomático contra manifestantes.

Familiares de Jacob Blake participaram de manifestação antirracismo em Kenosha. 29/08/2020 Scott Olson/Getty Images/AFP

Na quinta-feira 3, o candidato democrata à Presidência dos EUA, Joe Biden, viajou a Kenosha e se encontrou com familiares de Blake, além de conversar com ele por telefone. A reunião foi fechada à imprensa e, segundo a equipe de campanha do democrata, envolveu pessoalmente o pai de Blake, duas irmãs e um irmão. A mãe da vítima conversou com os Biden por telefone.

Em contraste a Biden, o presidente americano, Donald Trump, que busca a reeleição em novembro, passou por Kenosha na terça-feira 1º, mas não se encontrou com a família da vítima. Trump mal disse o nome de Blake.

O mandatário, que se autointitula o candidato da “lei e ordem”, inspecionou as ruínas das lojas incendiadas durante os protestos que sucederam o ataque a Blake. 

  • Trump agradeceu à polícia pela contenção das manifestações violentas, as quais costuma descrever como “terrorismo doméstico”. O candidato republicano, no entanto, se recusou a condenar as ações de Rittenhouse.

    Continua após a publicidade
    Publicidade