Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Trump defende a polícia em cidade onde homem negro foi baleado

Visita acontece em meio a manifestações depois de morte de homem negro por policial branco

Por Da Redação
Atualizado em 4 jun 2024, 15h30 - Publicado em 1 set 2020, 20h27

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira, 1, que as manifestações contra a polícia em Wisconsin são “terrorismo doméstico”, durante sua visita à cidade de Kenosha. O local é o foco mais recente de protestos antirracistas e confrontos entre polícia, grupos armados e manifestantes.

“Estes não são atos de protesto pacífico, são terrorismo doméstico”, disse ele, referindo-se às várias noites de tumulto em resposta a um incidente ocorrido no dia 23 de agosto, quando um policial branco atirou à queima-roupa contra Jacob Blake, um homem negro de 29 anos, na frente de seus três filhos pequenos, deixando-o paralisado da cintura para baixo.

A visita a um estado crucial na campanha de reeleição de Trump, dois meses antes das eleições presidenciais, ocorre horas depois que a polícia de Los Angeles matou um outro homem negro, aumentando o temor de mais protestos violentos.

O presidente americano encontra-se em desvantagem em relação a seu adversário, o democrata Joe Biden, nas pesquisas eleitorais – principalmente devido à sua má gestão da pandemia. Na tentativa de diminuir a margem, o republicano apresenta-se como o candidato da “lei e da ordem”, dizendo que, caso seja reeleito, vai conter a onda de levantes contra o racismo e a violência policial.

Trump se reunirá com autoridades policiais e visitará locais atingidos pela violência que eclodiu após a morte de Blake, apesar do apelo do governador de Wisconsin, o democrata Tony Evers, para que ele não visitasse o estado, temendo um aumento das tensões. O presidente afirmou que não planeja encontrar-se com a família de Blake durante sua visita.

Continua após a publicidade

A cidade, no norte do país, já era símbolo de tensões raciais e ideológicas nos Estados Unidos antes da chegada do republicano à Casa Branca, mas nas últimas semanas, tornou-se cenário de protestos do movimento antirracista Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), e da chegada de grupos de brancos armados. Um de seus membros, Kyle Rittenhouse, de 17 anos, é suspeito de ter matado duas pessoas a tiros em um protesto e deixado uma terceira ferida.

Democratas e defensores de reformas policiais afirmam que o ato de Rittenhouse revela o aumento do número de milícias de direita, que ostentam armas e se apresentam como agentes da lei. Trump disse apenas que essa era uma “situação interessante” e que o adolescente reagiu porque foi atacado.

Biden, em resposta, acusou Trump de “fraco” por não pedir a seus seguidores “que parem de atuar como uma milícia armada”, mas o presidente se defende dizendo que cidades democratas vivem sob uma “anarquia” e que seu adversário não denuncia a violência de manifestantes de esquerda que se opõem ao racismo.

Continua após a publicidade

Mas o democrata contra-atacou na segunda-feira com um discurso no qual descreveu o rival republicano como “uma presença tóxica”. “Os incêndios queimam, e temos um presidente que atiça as chamas, em vez de lutar contra elas”, disse.

Biden foi enfático contra os manifestantes violentos em um discurso na segunda-feira 31: “Saquear não é protestar. Atear fogo não é protestar. Nada disso tem a ver com protestar. É anarquia, ponto final. E os que fazem isso devem ser processados”.

(Com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.