Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em SP, Obama diz não ser possível mercado bom sem governo bom

Para ex-presidente dos EUA, as pessoas e as empresas deveriam ficar felizes em pagar impostos 'porque esse é o investimento que se faz na sociedade'

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama fez duras críticas a políticas econômicas liberais e enfatizou ser necessária uma boa gestão governamental para que os mercados funcionem bem. Sua mensagem foi dirigida a uma plateia de 10.000 pessoas, em evento do setor de varejo em São Paulo nesta quinta-feira, 30.

“Sempre digo aos conservadores, que só acreditam no mercado: não se consegue ter um bom mercado se não se tiver um bom governo. Se uma empresa precisa pagar propina, contratar um parente etc, não se tem um bom mercado”, afirmou o democrata.

De acordo com Obama, as pessoas e as empresas deveriam ficar felizes em pagar impostos “porque esse é o investimento que se faz na sociedade”.

Em dezembro de 2017, os Estados Unidos aprovaram um projeto do governo de Donald Trump que reduziu a alíquota do imposto corporativo de 35% para 21%. O republicano já falou publicamente que deseja promover ainda mais reduções nos impostos que recaem sobre as empresas. Apesar das críticas, Obama não citou diretamente o nome de Trump nem do presidente Jair Bolsonaro.

O ex-presidente também aproveitou sua palestra para relembrar os feitos de seus oito anos na Casa Branca e disse sentir orgulho de seu governo ter salvado a economia mundial durante a crise econômica de 2008. De fato, o republicano Trump tem surfado em uma onda de crescimento econômico, mesmo modesto, graças às políticas adotadas pelo governo do democrata para superar a recessão.

“Levou muito tempo para curar as feridas, mas nós estancamos o sangramento”, afirmou.

Ele citou ainda o programa de saúde conhecido como Obamacare, um pacote que incluiu a obrigatoriedade a todos os americanos de terem planos de saúde, como um grande legado de sua gestão. Os menos favorecidos foram amparados por subsídios do governo federal para contratar seus planos. Trump tentou, mas não conseguiu apoio suficiente no Congresso para eliminar o programa.

“Tenho orgulho de ter levado saúde a milhões de americanos”, disse Obama.

Obama disse também ter “orgulho de dizer que, no meu governo, não houve escândalos e ninguém foi preso. Demos exemplo de como chegar ao poder sem corrupção”.

Atualmente, seu sucessor trava uma disputa com os democratas em torno de investigações contra o seu governo. Alguns integrantes da oposição desejam iniciar um processo de impeachment contra o republicano na Câmara dos Deputados usando como base as tentativas de interferência de Trump na investigação sobre a ingerência russa nas eleições de 2016.

Obama também apontou, durante o evento, para a necessidade de investimentos em educação e em capital humano. “Poucos países entendem que isso é necessário para impulsionar o crescimento econômico”, disse, citando Singapura como exemplo de país bem-sucedido nesse aspecto.

O ex-presidente discursou no VTex Day, um encontro de negócios voltado para a inovação digital, que acontece no São Paulo Expo.

Atraso

Obama chegou atrasado ao local, segundo o jornal Folha de S.Paulo. Desde as 9h, filas se formavam para entrar no espaço da palestra, que estava marcada para começar às 11h30. O ex-presidente, contudo, só chegou depois das 13h.

Durante sua passagem pela capital paulista, o americano se encontrou com Pelé no hotel Hilton, onde está hospedado.

“Me encontrei com o Barak Obama. Falamos sobre como trabalharmos juntos para fazer o mundo melhor. Feliz por estarmos no mesmo time”, escreveu o “Rei do Futebol”, em sua conta no Twitter.

Esta é a segunda vez que Obama vem ao Brasil depois que deixou a Casa Branca. A última foi em 2017, quando participou de um encontro com líderes empresariais em São Paulo.

Em 2011, o Brasil foi o primeiro país sul-americano visitado por Obama em seu primeiro mandato. Ele visitou o Rio de Janeiro e Brasília, onde se reuniu com a então presidente Dilma Rousseff. Seguiu depois para o Chile e El Salvador.

(Com Estadão Conteúdo)