Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em meio a promessas de novos protestos, líder opositor retorna ao Egito

Mohamed ElBaradei, Nobel da Paz, é fundador da Associação Nacional para a Mudança - e garante apoiar os manifestantes

Por Da Redação 27 jan 2011, 10h03

O opositor egípcio e prêmio Nobel da Paz Mohamed ElBaradei retornará ao Cairo na noite desta quinta-feira, procedente de Viena, informou sua família. O fundador da Associação Nacional para a Mudança, que defende reformas democráticas e sociais, defende as atuais manifestações antigovernamentais que acontecem no país desde a última terça, pedindo a renúncia do ditador Hosni Mubarak. De acordo com o irmão dele, Ali ElBaradei, Mohamed ElBaradei retornará ao Egito a partir de Viena. Ali não confirmou, no entanto, se a volta está diretamente relacionada com os últimos acontecimentos no país.

ElBaradei deve dedicar seus esforços a unir os diferentes grupos de oposição em um movimento mais uniforme. Ele é um dos ícones egípcios mais poderosos para muitos dos ativistas que organizam as manifestações. Sua chegada acontecerá em meio a promessas do grupo Juventude 6 de Abril, principal organização ligada aos protestos, de continuar o movimento com força. “Quinta-feira não será um dia de descanso. As ações nas ruas prosseguirão”, afirma a página do grupo no Facebook. “Estamos a poucos passos do sonho da liberdade. Ninguém vai nos parar. Não temos medo de ninguém; a mudança chega, não há retrocesso nem rendição”, garante grupo na rede social.

Perfil – ElBaradei não tem partido reconhecido, mas é muito crítico do regime do presidente Hosni Mubarak, que está no poder há três décadas. “Se os tunisianos fizeram, os egípcios também devem conseguir”, declarou à revista alemã Der Spiegel ao comentar uma possível inspiração da “Revolução do Jasmim” da Tunísia no Egito. Diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) até o fim de 2009, ElBaradei ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2005 por seus esforços em “prevenir que a energia nuclear seja usada para fins militares e assegurar que a energia nuclear seja empregada na mais segura maneira possível”. É casado com Aida Elkachef e tem dois filhos.

(Com agência France-Presse e EFE)


Continua após a publicidade
Publicidade