Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Em artigo no NYT, Meghan Markle revela que sofreu aborto espontâneo

'Eu sabia, enquanto segurava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo', escreveu a atriz no jornal 'The New York Times'

Por Julia Braun Atualizado em 25 nov 2020, 10h05 - Publicado em 25 nov 2020, 09h52

Meghan Markle, mulher do príncipe Harry, revelou que sofreu um aborto natural em julho, em um artigo publicado nesta quarta-feira, 25, no jornal The New York Times.

“Eu sabia, enquanto segurava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo”, escreveu a duquesa de Sussex, que se casou em 2018 com o príncipe Harry, sexto na linha de sucessão à coroa britânica. Meghan e Harry tiveram o primeiro filho, Archie, em maio de 2019.

No texto publicado no New York Times, Meghan escreve que havia acabado de trocar a fralda do filho quando sentiu uma forte cãibra e caiu no chão. A ex-atriz de 39 anos afirma que sofrer um aborto espontâneo é uma “dor insuportável” e que o tema continua sendo um “tabu, impregnada de vergonha (injustificada), que perpetua um ciclo de luto solitário”.

“Perder um filho nos deixa em constante luto, muitas de nós passamos por isso, mas poucas conseguem falar sobre”, disse.

A duquesa ainda voltou a falar sobre o peso de estar sempre na mira de jornalistas e fotógrafos, além de refletir sobre as responsabilidades de ser mãe.

Continua após a publicidade

A coluna foi publicada no momento em que o casal trava uma batalha contra vários meios de comunicação, acusados de violar sua privacidade. Markle afirma que a Associated Newspapers – que edita os jornais britânicos Mail Online, Daily Mail e sua versão dominical Mail on Sunday – violou sua privacidade com a publicação de trechos de uma carta direcionada a seu pai, Thomas Markle, em agosto de 2018, antes do casamento com Harry.

Racismo e pandemia

Meghan Markle ainda dedicou parte do artigo ao tema da injustiça racial nos Estados Unidos e a reflexões sobre a pandemia de Covid-19. A duquesa lembrou também das vítimas da doença e também de Breonna Taylor, jovem negra morta em uma ação policial no Kentucky.

“Nós estamos bem?”, escreve a atriz. “Onde antes havia o senso de comunidade, agora vemos somente divisões.”

Após sua saída da família real, anunciada em janeiro e que se tornou efetiva em abril, Meghan e Harry se mudaram em um primeiro momento para o Canadá e pouco depois para a Califórnia (costa oeste dos Estados Unidos).

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade