Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EI cria ‘serviço de helpdesk’ para ajudar jihadistas a burlarem espionagem

Segundo relatorío do Centro de Combate ao Terrorismo da Academia Militar de West Point, os jihadistas também estão desenvolvendo programas e navegadores próprios

Por Da Redação 29 Maio 2015, 15h52

Os terroristas do Estado Islâmico (EI) utilizam muito bem as redes sociais e a internet para se organizar, recrutar outros jihadistas e para mostrar suas atrocidades para o mundo. Sabendo que são acompanhados de perto por agências de inteligência de diferentes governos, eles agora criaram um ‘serviço de helpdesk’ para auxiliar seus simpatizantes a burlarem o monitoramento e a espionagem eletrônica, reporta nesta sexta-feira o jornal britânico The Telegraph.

Segundo um relatório do Centro de Combate ao Terrorismo, uma instituição ligada à Academia Militar de West Point, uma das maiores dos EUA, o grupo que auxilia os jihadistas presta assistência técnica on-line e em tempo real a muitos colaboradores. Eles ensinam os simpatizantes e terroristas do EI a criarem hábitos para resguardar a privacidade de suas conversas. As dicas vão desde ações simples – como apagar o histórico de navegação e de mensagens após utilizar um computador ou um smartphone – até outras mais complexas, como o uso de redes privadas virtuais (VPNs, na sigla em inglês) para evitar rastreamento.

Leia também

Imagens do EI aparentemente mostram ruínas de Palmira sem danos

EI fuzila 20 homens nas ruínas de anfiteatro romano de Palmira

Terror do Estado Islâmico ameaça até a fauna síria

O estudo constatou ainda que o EI trabalha para desenvolver o seu próprio software de VPN para evitar ser espionado. “Descobrimos conversas indicando que os jihadistas estão nos primeiros estágios de desenvolvimento de comunicações seguras e programas de navegação independentes”, aponta o relatório. “A eficácia destas ferramentas é suscetível de ser limitada na maioria dos casos, no entanto, provavelmente vai aumentar as preocupações das agências de inteligência, pois representa um pequeno primeiro passo no caminho para o desenvolvimento de armas cibernéticas potenciais”, alerta o documento.

Continua após a publicidade

Antes mesmo do surgimento do EI, a Al Qaeda e outras organizações jihadistas já utilizavam fóruns de discussão on-line desde a década de 1990, usando as plataformas para a propaganda, a radicalização e o recrutamento. Desde a sua ascensão em todo o Iraque e a Síria, o EI levou a comunicação virtual para um novo patamar, utilizando com competência o Twitter, o Facebook e outras plataformas de mídia social para propagandear – e muitas vezes exagerar – suas conquistas no terreno.

Leia mais

Jihadistas tentam mudar sua imagem com revista em inglês

Grupo terrorista paga salário de mais de 4 mil reais a jihadistas

‘Subcultura jihadista’ seduz jovens e engrossa fileiras do terror do Estado Islâmico

O braço midiático dos extremistas é uma parte essencial de sua estratégia militar, anunciando conquistas de territórios e assassinatos em massa em uma manobra projetada para incutir o medo nos corações de seus inimigos. “Nossa pesquisa está mostrando que a rede on-line do Estado Islâmico é completamente descentralizada e conta com ativistas sem filiação formal ao grupo, inclusive em países ocidentais”, disse ao Telegraph Nick Kaderbhai, pesquisador do Centro de Combate ao Terrorismo.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade