Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

E mais uma vez o prazo para acordo com Irã não será cumprido…

O secretário de Estado americano John Kerry disse que as conversações não prosseguirão por um período 'indefinido', mas que tampouco é necessário 'precipitar-se'

Por Da Redação 10 jul 2015, 11h58

O secretário de Estado americano, John Kerry, e o chanceler iraniano, Mohamad Javad Zarif, voltam a se reunir nesta sexta-feira. As conversações, iniciadas há quase dois anos e que deveriam ter sido concluídas em 30 de junho, já foram prorrogadas em duas ocasiões diante da persistência de divergências fundamentais. E, de novo, o prazo para fechar o acordo não será cumprido.

Os ministros das Relações Exteriores do Irã e do Grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha) desistiram da meta de alcançar um acordo até esta sexta-feira. Assim, os EUA anunciaram que o dia 13 de julho é a nova data limite para as negociações. Segundo os diplomatas presentes em Viena, onde acontecem as reuniões, o clima de pessimismo e abatimento toma conta e todos já admitem em conversas privadas que um acordo sobre o programa nuclear de Teerã não é iminente.

Leia também

Chanceler da Rússia diz que acordo definitivo com o Irã está “muito próximo”

Irã apresenta proposta para resolver diferenças com potências

Continua após a publicidade

É a hora de concluir acordo nuclear com Irã, diz secretário de Estado americano

O Irã e o grupo 5+1 negociam há duas semanas na capital austríaca para tentar concluir um acordo que acabe com o clima de tensão, algo que prejudica as relações internacionais há mais de 12 anos. “Se as decisões não forem tomadas, estamos totalmente preparados para colocar um ponto final neste processo”, disse Kerry na quinta-feira, quando destacou que as conversações não prosseguirão por um período “indefinido”, mas que tampouco é necessário “precipitar-se” para chegar a um acordo. Zarif afirmou que está disposto a permanecer em Viena “o tempo necessário”, mas lamentou as “demandas excessivas” e as “mudanças de postura” das potências ocidentais.

Possibilidades – O acordo pretende garantir que o programa nuclear de Teerã não terá fins militares, em troca de uma suspensão das sanções internacionais que asfixiam a economia do país há vários anos. Os negociadores têm três possibilidades caso não alcancem um acordo durante o dia: uma nova prorrogação das conversações em Viena, uma declaração de fracasso – considerada pouco provável por analistas ouvidos pela BBC – ou o adiamento das negociações, uma hipótese que foi um tabu durante muito tempo.

Uma prorrogação ou adiamento implicariam uma nova extensão do acordo preliminar assinado em novembro de 2013, que bloqueou parcialmente algumas sanções ocidentais em troca da suspensão de certas atividades nucleares de Teerã. Apesar dos avanços, reconhecidos por todos, ainda restam muitas questões sem respostas. Teerã exige a suspensão das restrições sobre as armas e sobre seu programa balístico, adotadas em 2006 pela ONU, alegando que o embargo não tem qualquer relação com o programa nuclear. Os países ocidentais, que admitem que cada país tem direito a um programa militar convencional, são contrários a suspender o embargo sobre armas devido ao contexto regional delicado no Oriente Médio. Outros obstáculos são o calendário e o ritmo para a suspensão das sanções, assim como a inspeção das instalações iranianas pela ONU.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade