Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Dilma visita a cidade natal de seu pai

Por Dimitar Dilkoff - 6 out 2011, 13h00

A presidente Dilma Rousseff visitou nesta quinta-feira Gabrovo, pequena cidade búlgara ao pé dos Balcãs onde seu pai nasceu e de onde emigrou em direção ao Brasil, em 1929, um retorno às raízes familiares que, segundo ela, jamais esquecerá.

Dilma terminou em Gabrovo, a 230 km da capital Sofia, uma visita de Estado de dois dias à Bulgária. Prosseguirá seu giro europeu com uma viagem à Turquia, até o próximo sábado.

A chefe de Estado brasileira visitou a escola “Vassil Aprilov”, onde seu pai, Petar Roussev, estudou, antes de emigrar em 1929 para França e Argentina, e depois se instalar definitivamente no Brasil com o nome de Pedro Rousseff.

Sob um sol radiante, Dilma – emocionada, embora contida – dirigiu-se aos moradores de Gabrovo no pátio da escola frequentada por seu pai e que abrigava nesta quinta-feira centenas de pessoas.

Publicidade

“Hoje realizo o sonho do meu pai, que, sem dúvida, gostaria de estar aqui”, disse. “Agradeço a este morador de Gabrovo”, acrescentou, referindo-se ao seu pai, falecido em 1962, “que me ensinou a amar a vida”.

Entre aplausos, comemorou que o Brasil, um conglomerado de raças e culturas, “permita que a filha de um emigrante búlgaro se torne presidente da República”, uma presidente que é conhecida neste país do sudeste europeu como “a presidente búlgara do Brasil”.

“Nunca me esquecerei deste momento”, completou Dilma.

A presidente visitou posteriormente uma exposição, “as raízes búlgaras de Dilma Rousseff”, no museu histórico de Gabrovo, onde foi recebida por dezenas de pessoas sob os gritos de “Dilma, Dilma!”.

Publicidade

Horas antes de chegar a esta cidade, Dilma havia visitado a fortaleza Tsaverets em Veliko Tarnovo, antiga capital da Bulgária, junto ao presidente búlgaro Georgui Parvanov.

A visita de Dilma Rousseff, que chegou a Sofia na terça-feira à noite procedente de Bruxelas, é a primeira de um chefe de Estado brasileiro a este país ex-comunista de pouco mais de 7 milhões de habitantes.

Publicidade