Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dez anos depois, Tailândia ainda guarda bens de vítimas de tsunami

Corpos de quase 400 vítimas da tragédia de 2004 nunca foram identificados. Bens não reclamados podem ir a leilão

Por Da Redação 25 dez 2014, 14h13

Os corpos de quase 400 tailandeses vítimas do tsunami que se formou no Oceano Índico há uma década nunca foram identificados, e a polícia tem poucas esperanças de conseguir novas informações a partir dos objetos pessoais encontrados com elas. Mais de 200.000 pessoas em catorze países morreram no desastre. Na Tailândia, o tsunami deixou mais de 5.000 mortos e quase 3.000 desaparecidos, incluindo 2.000 turistas estrangeiros.

Relógios, colares de ouro com amuletos budistas e porta-moedas das vítimas foram guardados em um contêiner que já passou por várias agências policiais, até chegar ao distrito de Takua Pa, no sul da Tailândia, que aceitou reabri-lo a pedido da agência Reuters. Inicialmente, acreditava-se que o contêiner tivesse apenas objetos de vítimas não identificadas, mas também foram encontrados documentos e cartões de crédito. Dez anos depois da tragédia, os itens que não foram reclamados por ninguém poderão ser leiloados, segundo as regras locais. Mesmo se os itens não forem a leilão, o tenente-coronel Voravit Yamaree acredita que a chance de familiares reclamarem os bens de seus entes queridos são pequenas.

Leia mais:

Em imagens, o antes e depois da região mais devastada pelo tsunami na Indonésia

Casal localiza filho desaparecido no tsunami de 2004

Os corpos foram identificados com números e estão em um cemitério na vila de Bang Maruan, ao sul de Takua Pa. Nos últimos quatro anos, apenas 24 foram reclamados.

Em Ban Nam Khem, uma vila de pescadores no norte de Phang Nga, o tsunami matou 661 pessoas e deixou 765 desaparecidos. Hin Chan-ngern perdeu cinco membros de sua família na tragédia, sua mulher, irmão e três filhas. Nos três anos que se seguiram ao desastre, quatro corpos foram encontrados, mas o de sua filha mais velha continua desaparecido. “Fornecemos todo tipo de informação – registro dentários, amostras de DNA… mas ainda não conseguiram encontrá-la. Eu não sei mais o que posso fazer”, disse Hin à Reuters, enquanto olhava fotos dos familiares mortos.

Continua após a publicidade
Publicidade