Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Deslizamento de terra soterra mais de 30 pessoas na China

Fortes chuvas provocaram série de desastres em província no sudoeste do país

Por Da Redação 10 jul 2013, 11h59

Mais de 30 pessoas foram soterradas nesta quarta-feira por um deslizamento de terra causado pelas fortes chuvas na província de Sichuan, no sudoeste da China. As autoridades locais ainda realizam o trabalho de resgate, mas há duas mortes confirmadas e ao menos 21 pessoas ainda soterradas, segundo a agência oficial Xinhua.

Leia também:

Leia também: Chuvas provocaram 39 mortes na China nos últimos dias

O desmoronamento aconteceu às 10h30 locais (23h30 de Brasília) no município de Dujiangyan, um dos mais afetados pelo terremoto de Wenchuan, que em maio de 2008 causou 90.000 mortes. A área afetada pelo deslizamento é de dois quilômetros de comprimento. Os primeiros cálculos das autoridades indicam um desabamento de cerca de 1,5 milhão de metros cúbicos de lodo, rochas e escombros que esmagou 11 casas.

As duas vítimas identificadas por enquanto são um morador da cidade e um turista, segundo fontes do governo municipal de Dujiangyan. Várias equipes de bombeiros foram ao local da tragédia para tentar resgatar as 21 pessoas que continuam soterradas. Tanto os moradores das imediações do deslizamento quanto os turistas foram realocados para regiões seguras.

Pontes – As cheias do rio Panjiang causaram ontem, na mesma província, o desabamento de uma ponte na cidade de Jiangyou, onde vários veículos caíram na água e pelo menos 12 pessoas permanecem desaparecidas. Além disso, outras duas pontes caíram durante as inundações na mesma região, também muito montanhosa.

O serviço meteorológico nacional advertiu nesta quarta-feira que as fortes chuvas continuarão afetando a província de Sichuan nos próximos dias, por isso pôs a região em “alerta azul”, a quarta em importância do sistema de prevenção de desastres nacional. O sul da China sofre todos os verões com fortes chuvas e inundações que deixam a cada ano centenas de mortos.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade