Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

‘Dentista do mal’ começa a ser julgado na França

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h12 - Publicado em 10 mar 2016, 15h52

Um holandês que ficou conhecido como “dentista do mal” começou a ser julgado nesta semana em Nevers, região central da França. Jacobus Van Nierop, de 51 anos, é acusado de ter mutilado e enganado mais de uma centena de pacientes entre 2008 e 2012. Se condenado, ele pode ser sentenciado a 10 anos de prisão e pagar 150.000 euros (ceca de 615.000 reais) de multa.

Van Nierop começou a atender pacientes em 2008 em Château-Chinon, uma zona rural do centro-leste da França, onde os profissionais de saúde são cada vez mais raros. A princípio, o sorridente dentista ganhou a simpatia da população local, mas as histórias de horror não demoraram a aparecer.

Os pacientes começaram a ter dentes arrancados sem nenhum motivo – eles recebiam anestésico pesado – e ficavam com abscessos e infecções nas gengivas. Preenchimentos de obturações era substituídos por componentes mais caros sem necessidade, e alguns pacientes relataram que suas bocas sangravam por vários dias após as consultas.

Leia também:

EUA: Caçador do leão Cecil volta a atender pacientes em clínica dentária

A aposentada Sylviane Boulesteix, 65 anos, contou à agência de notícias France-Presse (AFP) que foi a uma consulta com o holandês em março de 2012 para a colocação de um aparelho dentário. “Ele me deu de sete a oito injeções, arrancou oito dentes de uma vez e colocou o aparelho sem anestesia. Eu urinei sangue durante três dias”, afirmou. Outra vítima, um idoso de 80 anos, disse à AFP que o dentista deixou “pedaços de carne pendurados em todos os lugares” após a remoção de um dente

Continua após a publicidade

Nicole Martin, professora aposentada, formou um grupo de vítimas do dentista para prestar uma queixa contra o profissional – o coletivo contabilizou 120 pessoas.

Em 7 de junho de 2013, o dentista foi acusado e colocado sob controle judicial com a proibição de deixar o território francês. Em dezembro daquele ano, porém, ele fugiu para o Canadá, onde foi interpelado em setembro de 2014, quando tentou se matar.

Os debates no tribunal começaram na terça-feira com uma análise da personalidade do dentista, acusado de mutilações, fraude e falsificação de documentos. Segundo o relatório de uma equipe especializada apresentado ao tribunal, o acusado sofre de uma “patologia narcisista” que o faz perder “todo o senso moral”. Outro especialista ressaltou, no entanto, que o réu “tinha perfeita consciência de seus atos”.

Leia também:

Ucraniana presa na Rússia mostra o dedo médio para o juiz em audiência

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês