Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Defesa do príncipe Andrew pede anulação do processo de agressão sexual

Segundo a equipe jurídica, o caso apresentado por Virginia Giuffre não tem fundamento

Por Nathalie Hanna Atualizado em 4 jan 2022, 12h44 - Publicado em 4 jan 2022, 12h41

Os advogados do príncipe Andrew pediram nesta terça-feira  (4) para que seja encerrado o processo de agressão sexual movido por Virginia Giuffre, 38, que o acusa de abuso sexual quando ela tinha 17 anos.

O tribunal federal de Manhattan, onde corre a ação, deve ouvir os argumentos da defesa do Duque de York para que o processo civil seja rejeitado sem julgamento numa audiência.

A sessão em tribunal será por videoconferência e ocorre um dia após a divulgação do documento de 12 páginas assinado em 2009 pelo financista Jeffrey Epstein – morto em 2019 – e Virginia Roberts, que agora utiliza o sobrenome Giuffre. Os termos do acordo do documento incluem o pagamento de 500 mil dólares.

O argumento da defesa do príncipe Andrew, 61, deve dizer que Virginia abriu mão de quaisquer direitos de processar qualquer pessoa conectada a Epstein que pudesse ser descrita como um “réu em potencial”, como diz no acordo assinado por ela. A declaração afirma que ela concordou em “liberar, absolver, satisfazer e dispensar para sempre” Epstein e “qualquer outra pessoa ou entidade” que poderia ter sido incluída como um potencial réu.

O representante do Duque de York, Andrew B Brettler, disse que o acordo deveria encerrar o processo. O advogado argumentou anteriormente ao tribunal de Nova York que o documento “libera o príncipe Andrew e outros de qualquer suposta responsabilidade decorrente das reivindicações que a Sra. Giuffre fez contra o Príncipe Andrew até o momento”. No entanto, o advogado de Virgínia, David Boies, alegou que era “irrelevante para o caso contra o príncipe Andrew”.

 O sucesso desse argumento depende da definição dos beneficiários pretendidos do contrato.

Giuffre está buscando uma indenização não especificada, alegando que ela foi traficada por Epstein para fazer sexo com Andrew quando ela tinha 17 anos e era menor de acordo com as leis dos Estados Unidos. Ela entrou com uma ação civil contra ele em agosto de 2021. O príncipe negou todas as acusações.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês