Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Defendendo Maduro, Lula compara governo Guaidó à invasão russa da Ucrânia

Presidentes brasileiro e argentino dizem que presença da Venezuela na Celac é legítima e que crise política deve ser resolvida 'com diálogo'

Por Caio Saad, de Buenos Aires, e Amanda Péchy
Atualizado em 23 jan 2023, 17h14 - Publicado em 23 jan 2023, 14h22

Após o anúncio de que a Venezuela cancelou uma reunião bilateral entre o líder Nicolás Maduro e o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta segunda-feira, 23, em Buenos Aires, ele e o presidente da Argentina, Alberto Fernández, defenderam a presença do país na cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), que ocorre na terça-feira, 24.

“A cúpula do Celac reúne países da América Latina e Caribe. Portanto, todos os países membros estão convidados. Não temos nenhum poder de veto e nem queremos ter”, declarou Fernández. “Portanto, a presença dos presidentes de Cuba e Venezuela é mais uma inquietação de alguns meios de comunicação do que dentro da Celac.”

Segundo o argentino, esses fóruns existem justamente para que pontos de divergência possam ser debatidos. Ele afirmou que a preocupação mais importante deve ser pelo diálogo entre os venezuelanos, que eles “recuperem a convivência democrática e os seus direitos sejam respeitados”.

“Não tenho nenhuma notícia que o presidente Maduro não venha [para a Celac]”, garantiu.

Continua após a publicidade

Lula ecoou a defesa do aliado, dizendo que “um papel nesse mandato na presidência do Brasil é, se eu puder, ser um construtor de paz”.

“Muitas pessoas esquecem que [a oposição venezuelana] fez uma coisa abominável com a democracia, que foi reconhecer um cara que não era presidente, não tinha sido eleito, como presidente”, afirmou Lula, referindo-se a Juan Guaidó, então presidente da Assembleia venezuelana. “Esse cidadão ficou vários meses exercendo o papel de presidente, sem ser presidente.”

Segundo o líder brasileiro é preciso garantir que a autodeterminação dos povos seja respeitada em qualquer país. “Da mesma forma que eu sou contra a ocupação territorial, como a Rússia fez à Ucrânia, sou contra muita ingerência no processo da Venezuela”, disse.

Continua após a publicidade

Ele acrescentou, ainda, que para resolver o problema na Venezuela é preciso de diálogo, não de bloqueios e sanções, em crítica à política dos Estados Unidos em relação a Caracas. Usando o gancho, também mencionou Cuba: “Espero que logo, logo, Cuba possa voltar a um processo de normalidade e se acabe o bloqueio que já dura mais de 60 anos, sem nenhuma necessidade.”

“A Venezuela vai voltar a ser tratada normalmente, como todos os países querem ser tratados. O que quero ao Brasil, quero à Venezuela: respeito”, declarou.

“Não sei se o Maduro vai vir. Tinha uma reunião com ele hoje, 16h, mas fui informado que talvez ele não venha. Vai ficar para outra oportunidade. Espero que dentro de dois meses a gente tenha resolvido o problema da embaixada, para atingirmos a normalidade”, concluiu.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.