Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cristina Kirchner é submetida a cirurgia

Procedimento durou cerca de duas horas, segundo jornal; dezenas de pessoas realizam vigília em frente ao hospital

Por Da Redação 8 out 2013, 09h37

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi submetida na manhã desta terça-feira a uma cirurgia para drenar um hematoma cerebral diagnosticado no fim de semana. Em nota divulgada às 9h, o governo afirmou que Cristina começou a ser operada na Fundação Favaloro, em Buenos Aires às 8h18. O procedimento acabou cerca de duas horas mais tarde, segundo o jornal argentino La Nacíon.

“Cristina Fernández de Kirchner passa por intervenção cirúrgica no Hospital Universitário da Fundação Favaloro, a fim de retirar o hematoma subdural crónico diagnosticado”, informou o governo em nota.

No final da manhã, o governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, confirmou que a cirurgia havia terminado e afirmou que a presidente se recupera da anestesia.

O estado de saúde da presidente ainda não foi divulgado pelo hospital.

Segundo o La Nación, Cristina permanecerá as primeiras 48 horas internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e deve ficar pelo menos uma semana em recuperação no hospital.

Saiba mais:

Dez anos da era Kirchner: a chance perdida

Dezenas de simpatizantes da presidente passaram a noite em vigília em frente à Fundação Favaloro, fazendo orações. Cristina foi operada pelo chefe do Departamento de Neurocirurgia da fundação, Cristian Fuster, e sua equipe, e por Facundo Manes, diretor do Instituto de Neurociências.

Continua após a publicidade

Consultado pela agência de notícias AFP, o doutor Anders Cohen, especialista chefe de Neurocirurgia do Brooklyn Hospital Center de Nova York, afirmou que a cirurgia é considerada um procedimento simples.

“É uma intervenção simples, de curta hospitalização, talvez três dias, seguida de um período de reabilitação. Ela poderá retomar suas atividades em 4 a 6 semanas”, afirmou. Segundo Cohen, o que afeta a presidente é “uma das coisas mais comuns com pessoas que sofrem um trauma na cabeça. Ocorre regularmente após um acidente”.

Leia também:

Primárias enterram sonho de reeleição infinita de Cristina

No sábado, o porta-voz da Casa Rosada revelou que a presidente sofreu um trauma na cabeça em 12 de agosto, quando foram realizadas as primárias para as eleições parlamentares que serão realizadas daqui a vinte dias. Não está claro como a presidente se machucou. A pancada teria provocado o hematoma que resultou em fortes dores de cabeça. O hematoma foi diagnosticado depois que Cristina procurou o hospital queixando-se de uma arritmia e de dores de cabeça. Em agosto, a presidente foi submetida a uma avaliação, mas nada grave foi verificado.

Cristina Kirchner, de 60 anos, foi eleita pela primeira vez em 2007 e reeleita em 2011. Ela sucedeu na Presidência o marido Néstor Kirchner, que morreu depois de sofrer uma parada cardíaca, em outubro de 2010.

A cirurgia vai manter Cristina fora de ação justamente no período que antecede as eleições legislativas do meio de mandato da presidente, em 27 de outubro. O resultado do pleito determina quanto poder Cristina ainda terá no Congresso nos próximos dois anos.

Com a saída temporária de Cristina, o vice-presidente, Amado Boudou, substituiu a presidente em um ato oficial nesta segunda e também assinou o documento de transferência de comando, passando a ocupar formalmente a Presidência, como interino.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade