Clique e assine a partir de 9,90/mês

Crise de fome na Somália provocou 258.000 mortes

Entre maio e agosto de 2011, 30.000 somalis morreram de fome no país

Por Da Redação - 2 Maio 2013, 12h00

Quase 260.000 somalis morreram de fome entre outubro de 2010 e abril de 2012, segundo um relatório da ONU divulgado nesta quinta-feira. O balanço é superior ao da fome de 1992 no país, que matou 220.000 pessoas em 12 meses, mas a crise anterior é considerada mais grave por ter matado um percentual maior da população.

“A fome e a grave insegurança alimentar na Somália mataram 258.000 pessoas entre outubro de 2010 e abril de 2012, incluindo 133.000 crianças com menos de cinco anos”, afirma um documento da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e da Rede de Alerta contra a Fome (Fews-Net), financiada pelos Estados Unidos.

Leia também:

Leia também: ONU declara fim da crise de fome na Somália

Continua após a publicidade

Segundo a primeira estimativa científica do balanço da crise alimentar, “4,6% da população total e 10% das crianças com menos de cinco anos morreram no sul e centro da Somália”. Nas regiões de Baixo Shabelle, Mogadíscio e Bay, as mais afetadas, a crise alimentar matou, respectivamente, 18%, 17% e 13% das crianças com menos de cinco anos.

A fome provocou 30.000 mortes por mês entre maio e agosto de 2011, segundo o estudo. A fome de 2011-2012 na Somália afetou quase quatro milhões de pessoas, metade da população do país. A crise foi provocada principalmente por uma grave seca no Chifre da África e se agravou pela catastrófica situação da segurança no país, que está em guerra civil desde a queda do presidente Siad Barre em 1991.

(Com agência France-Presse)

Publicidade