Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Corpos das vítimas de avião que caiu no Egito começam a ser levados à Rússia

Das 224 vítimas fatais do acidente ocorrido neste sábado na Península do Sinai, 126 devem ser encaminhadas a Moscou ainda na noite deste domingo

Os corpos dos turistas mortos na queda do avião da companhia russa KogalimAvia, que operava com o nome de Metrojet, ocorrida neste sábado na Península do Sinai, no Egito, com 224 pessoas a bordo, começaram a ser levados neste domingo para Moscou. Uma fonte de segurança do aeroporto do Cairo, capital do Egito, informou à agência EFE que 126 corpos serão levados à capital russa em um avião na noite deste domingo.

Leia também:

Jato russo teria se partido no ar, diz autoridade local de aviação

O Ministério da Justiça do Egito indicou anteriormente que tinha tomado as medidas necessárias para entregar os corpos à embaixada da Rússia no Cairo, uma etapa prévia à transferência a Moscou e depois a São Petersburgo, destino do voo da Metrojet, segundo a agência oficial egípcia de notícias Mena. Uma testemunha indicou que dezenas de ambulâncias continuam estacionadas próximas do necrotério de Zenhum, o principal da capital egípcia, para transportar os demais corpos ao aeroporto.

As autoridades que investigam a queda encontraram, por enquanto, 187 corpos das 224 vítimas, além de vários restos mortais. Do total, 171 foram entregues aos legistas, que os distribuíram em cinco hospitais públicos e no necrotério de Zenhum, antes de ordenar que eles fossem transportados para o aeroporto do Cairo.

Chegaram ao Egito na noite de ontem três aviões russos com a equipe de investigação, os ministros de Transporte, Maxim Sokolov, e para Situações de Emergência, Vladimir Puchkov, e o principal responsável pela Agência de Aviação Civil da Rússia (Rosaviatsia), Aleksandr Neradko.

O avião da Metrojet caiu ontem 23 minutos depois de decolar da cidade de Sharm el-Sheikh com destino a São Petersburgo. Do total, 213 passageiros e tripulantes eram russos, além de três ucranianos e um bielorrusso. Entre eles havia 25 crianças.

(com EFE)