Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Corpo de Mandela chega à aldeia Qunu, onde será sepultado

Antes de embarcar para o vilarejo onde nasceu, o herói anti-apartheid foi homenageado na base aérea de Waterkloof, na capital Pretória

Por Da Redação 14 dez 2013, 09h04

(Atualizado às 12h30)

O corpo de Nelson Mandela chegou neste sábado à aldeia de Qunu, no sudeste da África do Sul, onde será sepultado domingo. O cortejo fúnebre – saudado por milhares de pessoas desde o aeroporto de Mthatha – chegou a Qunu às 15h56 local (11h56 de Brasília) escoltado por soldados das forças de segurança.

Antes de ser levado para Qunu, o herói anti-apartheid foi homenageado na base aérea de Waterkloof, na capital Pretória, pelo Congresso Nacional Africano (CNA). Com músicas revolucionárias, alguns punhos levantados e tributos ao “camarada Mandela”, o antigo movimento de libertação ao qual Mandela dedicou sua vida disse adeus ao ex-presidente sul-africano.

“Vá bem ‘Tata’, você fez sua parte”, disse o presidente sul-africano e líder do CNA, Jacob Zuma, em um elogio no qual usou a palavra em Xhosa para “pai”. Ele recordou a vida de Mandela como um combatente pela liberdade na luta contra a minoria branca, pela qual passou 27 anos na prisão. “Sempre vamos lembrar de você”, disse Zuma, antes de gritar o slogan da luta do CNA: “Amandla” (Poder).

Leia também:

Desmond Tutu fica fora do funeral de Mandela

A despedida do CNA liderada por Zuma, que contou com a presença da viúva de Mandela, Graça Machel, ocorreu depois de nove dias intensos de luto e atividades fúnebres, realizadas em Joanesburgo e Pretória. Em três dias de velório em Pretória, de quarta a sexta-feira, mais de 100 mil pessoas ficaram por horas nas filas para dar adeus ao primeiro presidente negro da África do Sul.

Continua após a publicidade

Um dos netos de Mandela, Mandla, agradeceu aqueles que apareceram para prestar suas homenagens ao prêmio Nobel da Paz. “Eu testemunhei seu exército, tenho testemunhado o seu povo, tenho testemunhado sul-africanos comuns que andaram esta longa caminhada para a liberdade com ele e posso garantir ao Congresso Nacional Africano hoje que o futuro deste país parece brilhante”.

Funeral – Escoltado por caças, o corpo de Mandela foi levado pela força aérea da África do Sul para a sua região de origem Cabo Oriental, de onde seria levado para a casa da família em Qunu. No local, um funeral de Estado ocorre no domingo, combinando honras militares e ritos tradicionais de Xhosa abaThembu, clã de Mandela. A cerimônia terá a participação de membros da família, líderes nacionais e convidados estrangeiros, incluindo o príncipe britânico Charles e o ativista norte-americano dos direitos civis, reverendo Jessie Jackson.

Leia também:

Nelson Mandela: o caminho para a liberdade

‘Falso intérprete’ do funeral de Mandela alega esquizofrenia

No adeus a Mandela, mundo celebra um ‘gigante da história’

Milhares se reúnem em Johannesburgo para adeus a Mandela

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade