Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: EUA pedem a americanos no exterior que retornem ao país

'Tenha um plano de viagem que não dependa de nenhuma assistência do governo', afirma comunicado do Departamento de Estado

Por Da Redação - Atualizado em 19 mar 2020, 18h51 - Publicado em 19 mar 2020, 18h10

O governo dos Estados Unidos emitiu nesta quinta-feira, 19, alerta aos americanos residentes para que não saiam do país em decorrência da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), que já atingiu mais de 200.000 pessoas e matou mais de 9.000 em todo o mundo. Àqueles que estão no exterior, as autoridades recomendam o retorno, se possível. Segundo o portal de notícias Politico, a medida aparece não ter precedentes.

“Nos países onde as opções de partida comercial permanecem disponíveis, os cidadãos americanos que moram nos Estados Unidos devem providenciar seu retorno imediato, a menos que estejam preparados para permanecer no exterior por um período indeterminado”, destaca o Departamento de Estado americano em seu alerta.

As autoridades reconhecem as dificuldades de retorno – o que é também um sinal de que demorou a disparar esse alerta. “Muitos países estão enfrentando surtos do novo coronavírus e implementando restrições de viagem e quarentenas obrigatórias, fechando fronteiras e proibindo a entrada de não-cidadãos com pouco aviso prévio. Companhias aéreas cancelaram muitos voos internacionais e vários operadores de cruzeiros suspenderam as operações ou cancelaram as viagens”, conclui o Departamento de Estado.

O governo americano ainda autorizou o retorno de funcionários públicos em missão no exterior, como os diplomatas, que estejam sob “alto risco” de contaminação. A atividade de algumas embaixadas e consulados tem sido limitada por determinações locais. “Tenha um plano de viagem que não dependa de nenhuma assistência do governo”, aconselha.

Continua após a publicidade

Segundo estimativa do jornal americano The New York Times, nos Estados Unidos há 10.822 pacientes confirmados com o vírus (4% dos casos em todo o mundo) e 172 mortes.

Publicidade