Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Coreia do Norte testa novo míssil para atacar navios

O ditador norte-coreano Kim Jong-Un acompanhou presencialmente o teste de "ultraprecisão" conduzido pela Marinha do país

Por Da Redação 7 fev 2015, 10h58

A Coreia do Norte anunciou neste sábado que realizou testes com um novo míssil de para atacar navios. A experiência foi interpretada por Seul como uma tentativa de elevar as tensões em relação aos exercícios militares realizados pela Coreia do Sul e os Estados Unidos.

O ditador norte-coreano, Kim Jong-Un, acompanhou presencialmente o teste de “ultraprecisão”, que foi conduzido pela Marinha do país, de acordo com a agência de notícias oficial. O jornal estatal Rodong Sinmun publicou uma foto do presidente assistindo ao lançamento do míssil de uma embarcação, embora a imprensa não tenha informado quando ou onde o exercício ocorreu.

Leia também:

Kim Jong-Un faz ameaças em aparente resposta a Obama

Kim Jong-Un aceita convite de Putin e irá à Rússia

Produção de armamentos – O especialista em segurança e conselheiro da Marinha sul-coreana Yang Uk disse que o míssil do país vizinho é similar ao KH-35 da Rússia, que é capaz de viajar até 140 quilômetros em alta velocidade, mantendo-se próximo à superfície do mar. A Coreia do Norte passou a importar o armamento em meados da década passada e o teste sugere que o país foi capaz de produzir mísseis de design similar.

O professor da Universidade de Estudos da Coreia do Norte, que fica em Seul, Yang Moo-jin, afirmou que o país está exibindo suas capacidades militares antes dos exercícios navais anuais entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos. De acordo com Pyongyang, a parceria naval entre as nações é um ensaio para uma possível invasão do país. Os aliados, por outro lado, afirmam que os exercícios são de defesa e que não têm intenção de atacar.

No mês passado, a Coreia do Norte disse ao governo americano que está disposta a impor uma pausa em seus testes nucleares, se Washington descartar os exercícios com a Coreia do Sul este ano, mas os aliados negaram o pedido.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade