Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coreia do Norte anuncia primeira morte por Covid-19

Segundo a agência de notícias estatal KCNA, seis pessoas morreram após testes positivos para a ômicron e 187 mil pessoas estão com sintomas no país

Por Da Redação Atualizado em 13 Maio 2022, 10h46 - Publicado em 13 Maio 2022, 08h36

A Coreia do Norte confirmou nesta sexta-feira, 13, sua primeira morte por Covid-19. A agência de notícias estatal KCNA acrescentou que 187.000 pessoas estão com sintomas da doença.

Depois de sentirem febre e de um teste para a variante ômicron ter dado positivo, seis pessoas morreram. As centenas de milhares de pessoas com sintomas como febre foram “isoladas e tratadas”, afirmou a mídia estatal.

Embora especialistas acreditem que o vírus já estivesse no país há muito tempo, as autoridades norte-coreanas só anunciaram os primeiros casos na quinta-feira 12. Segundo comunicado, houve um surto da variante ômicron na capital, Pyongyang.

O governo anunciou medidas de bloqueio. Mas a informação parou por aí: não forneceram o números preciso de casos.

Em uma atualização nesta sexta-feira, contudo, a agência de notícias KCNA informou que o surto se estendeu além da capital. “Uma febre cuja causa não pôde ser identificada se espalhou explosivamente por todo o país a partir do final de abril”, afirmou.

Continua após a publicidade

Cerca de 350.000 pessoas mostraram sinais dessa febre, acrescentou, sem especificar quantas tinham sido diagnosticadas com Covid-19.

Os números mais recentes da mídia estatal, incluindo o reconhecimento de que a febre não especificada se espalhou por todo o país, podem ser preocupantes. Sua população de 25 milhões de pessoas está vulnerável, devido à falta de um programa de vacinação e a um sistema de saúde precários.

A Coreia do Norte rejeitou ofertas da comunidade internacional para fornecer milhões de doses da vacina AstraZeneca e feitos na China no ano passado. Contudo, país recusou, alegando ter controlado a Covid-19 com o fechamento de suas fronteiras no início de janeiro de 2020.

O país compartilha fronteiras terrestres com a Coreia do Sul e a China, que tiveram vários surtos de coronavírus. A China agora está lutando para conter uma onda ômicron com lockdowns em suas maiores cidades.

Na sexta-feira, a KCNA informou que o líder norte-coreano Kim Jong-un visitou um centro de saúde e “aprendeu sobre a disseminação nacional do Covid-19”. Ele descreveu a situação como uma “crise imediata de saúde pública”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês