Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cópia rara da primeira Constituição dos EUA será leiloada pela Sotheby’s

A venda reforça o apreço dos americanos pelos valores democráticos

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 13h35 - Publicado em 9 out 2021, 08h00

Com 234 anos, a Constituição dos Estados Unidos é a mais antiga e longeva Carta Magna escrita do mundo. Em fevereiro de 1787, o Congresso Continental, primeira encarnação do governo americano, convocou uma convenção na Filadélfia para revisar os Artigos da Confederação, até aquele momento a lei máxima do país, considerada ineficiente pelos legisladores. Redigido em segredo, sob a supervisão do então presidente, George Washington, o documento transformou em lei a promessa da Declaração da Independência e marcou a etapa final da conversão da colônia britânica em nação. Após a confecção de dois rascunhos, os impressores oficiais produziram 500 cópias do documento e as distribuíram aos delegados da Convenção Constitucional. Restam apenas onze delas, e só uma faz parte de uma coleção privada. É este exemplar que irá a leilão em novembro, na Sotheby’s de Nova York.

Segundo especialistas, a primeira impressão da Constituição americana é mais rara do que a da Declaração da Independência, um dos poucos documentos históricos ao qual pode ser comparada em termos de significado e simbologia. As seis páginas impressas contêm os sete artigos originais que estabeleceram a estrutura do nascente governo americano e seus poderes, sua relação com os estados e os procedimentos para propor emendas — a Declaração de Direitos com as primeiras dez emendas de 1791 não está incluída. Embora não tenha assinatura, o texto, que seria ratificado pelos estados em 1788 e entraria em vigor no ano seguinte, inclui uma lista dos delegados da Convenção Constitucional e uma carta de submissão de Washington ao Congresso Continental.

RARIDADE - A mais antiga Carta Magna existente no mundo: relíquia valiosa -
RARIDADE – A mais antiga Carta Magna existente no mundo: relíquia valiosa – (Richard Drew/AP/Image Plus)

Com valor estimado entre 15 milhões e 20 milhões de dólares, o documento faz parte da coleção de Dorothy Tapper Goldman. Ela o herdou em 1997, após a morte do marido, S. Howard Goldman, um incorporador imobiliário de Nova York e colecionador de autógrafos, documentos históricos e manuscritos. Ele havia adquirido a Constituição em um leilão na mesma Sotheby’s, em 1988, por cerca de 165 000 dólares — um ano antes ficara em exposição na Suprema Corte, por ocasião do bicentenário da Carta. Orgulho de seu acervo, também exibiu-a em instituições de todo o país. O produto da venda será revertido para a fundação que leva o nome da viúva, dedicada a aprofundar o estudo da democracia americana.

arte carta magna

Continua após a publicidade

Inspirada pela paixão do marido, Dorothy expandiu a coleção adquirindo outras relíquias da época, incluindo documentos que registram os debates sobre a ratificação da nova Carta e a necessidade de uma Declaração de Direitos. Do acervo constam várias Constituições, entre elas uma de cada ente federativo americano — sim, o sistema dos Estados Unidos permite Cartas estaduais. Parte desse acervo, cerca de oitenta documentos, também será oferecida no leilão. “Com a venda da coleção, esperamos continuar a contribuir para a nossa missão de educação cívica e uma maior compreensão dos documentos fundadores”, declarou em um comunicado a professora e filantropa.

Selby Kiffer, do Departamento de Livros e Manuscritos da Sotheby’s, esteve envolvido no leilão de mais de trinta anos atrás, quando Howard Goldman adquiriu a cópia da Constituição. E voltará a trabalhar em sua venda no fim do ano. “Fiquei de olho nela desde então, e é muito emocionante vê-la retornar às nossas dependências depois de tanto tempo”, disse, em uma declaração oficial. “A Constituição permanece sendo uma fonte fundamental para nossa compreensão da democracia e do espírito americano, que sempre terão apelo universal e transcenderão quaisquer categorias.” Desde que foi ratificada e entrou em vigor, a Carta americana foi alterada 27 vezes. Ainda assim, sua primeira linha, “Nós, o povo dos Estados Unidos…”, continua demonstrando que a união e a superação das diferenças são fundamentais para enfrentar as adversidades a que são expostas as democracias.

Publicado em VEJA de 13 de outubro de 2021, edição nº 2759

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.