Clique e assine com 88% de desconto

Confronto em Baltimore após funeral de jovem negro deixa 15 policiais feridos

Manifestantes jogaram pedras contra a polícia e saquearam lojas. Governador declarou estado de emergência, e prefeita anunciou toque de recolher

Por Da Redação - 27 abr 2015, 21h11

Um violento confronto nesta segunda-feira entre manifestantes e a polícia de Baltimore, no Estado americano de Maryland, terminou com quinze policiais feridos, sendo que alguns tiveram ossos quebrados e um foi socorrido inconsciente. O conflito ocorreu logo após o funeral do jovem negro Freddie Gray, morto há uma semana em decorrência de fraturas na coluna sofridas enquanto esteve sob custódia da polícia local. Frente às cenas de violência presenciadas na cidade, o governador de Maryland, Larry Hogan, declarou estado de emergência em Baltimore e autorizou o envio da Guarda Nacional. A prefeita Stephanie Rawling-Blake anunciou um toque de recolher que durará uma semana.

O funeral de Gray ocorreu tranquilamente. Parentes, amigos, ativistas e funcionários do governo local e também da Casa Branca compareceram à igreja onde o corpo foi velado. O reverendo Jamal Bryant, responsável pelas orações, pediu aos negros que protestassem contra a discriminação. “Coloquem-se de pé e mudem essa cidade. Eu não sei como você pode ser negro nos Estados Unidos e ficar em silêncio. Com tudo acontecendo ao redor, você não pode ficar sentado aí e permanecer em silêncio diante da injustiça”, afirmou.

Leia também:

Policial que atirou oito vezes em homem negro é demitido

Publicidade

Obama diz que não há desculpa para ‘atos criminosos’ em Ferguson

Após o término da cerimônia, as autoridades informaram que agitadores aproveitaram para atacar policiais, vandalizar e saquear lojas. Os manifestantes atiraram pedras, tijolos e outros objetos contra os oficiais. Vídeos divulgados na internet mostram dezenas de pessoas arrombando estabelecimentos comerciais e assistindo a um incêndio em uma farmácia. Policiais também foram flagrados jogando pedras contra os manifestantes em uma das ruas da cidade.

Por meio de seu advogado, William Murphy Jr, a família de Gray se disse “machucada” com os atos de vandalismo. “Eles sabem que o pacifismo é o único caminho para lidar com esse problema. Nós queremos marchas pacíficas para essas crianças”, disse Murphy. “Nós não precisamos disso. Isso não é bom para a cidade e não é bom para a família”, acrescentou.

Escolas e uma universidade suspenderam as aulas para evitar que os estudantes sejam expostos aos conflitos. A equipe de beisebol Baltimore Orioles também adiou a partida que aconteceria nesta segunda-feira na cidade. O presidente Barack Obama foi informado dos acontecimentos pela recém-empossada secretária de Justiça, Loretta Lynch. Ela disse, por meio de uma nota, que continuará monitorando a situação em Baltimore e assegurou estar pronta para fornecer qualquer auxílio para a cidade.

Publicidade

Entenda o caso – Gray morreu há uma semana, vítima de fraturas na coluna, na altura do pescoço. De acordo com o jornal The Guardian, ele não respondeu à ordem de parada de policiais que faziam ronda de bicicleta em uma área com altos índices de criminalidade. Um vídeo gravado com celular mostra que Gray foi imobilizado no chão e colocado dentro de uma van. Ele parecia ter dificuldade para andar e gritava de dor, informou o New York Times.

O comissário de polícia de Baltimore, Anthony Batts, reconheceu que os oficiais erraram ao não prestar socorro médico a Gray no momento em que ele foi preso. Batts também admitiu que os policiais não afivelaram cintos em torno de Gray, o que levanta as suspeitas de que as fraturas podem ter ocorrido durante o percurso de 30 minutos até o hospital. Gray entrou em coma no hospital e morreu após uma semana.

Os seis policiais envolvidos na ação foram suspensos de suas funções, mas continuarão recebendo pagamentos. Eles alegam que não usaram força excessiva contra Gray. A expectativa é de que as autoridades de Baltimore concluam a investigação sobre a morte até sexta-feira. Os resultados serão enviados para procuradores estaduais que determinarão se haverá a abertura de um processo judicial contra os oficiais. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos também lançou uma investigação federal para apurar se os direitos civis de Gray foram violados enquanto ele esteve sob custódia.

Histórico – Investigações federais sobre violação de direitos humanos são relativamente raras nos Estados Unidos. O Departamento de Justiça, no entanto, optou por entrar em ação diante da elevada tensão racial provocada pelas mortes de negros por policias. Os casos mais conhecidos são os de Michael Brown, em Ferguson, e de Eric Garner, em Nova York. Recentemente, um vídeo divulgado pelo jornal The New York Times mostrou um policial atirando oito vezes nas costas de um homem negro desarmado. Ele foi preso e responde por homicídio.

Publicidade

(Da redação)

Publicidade