Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cinzas de brasileiro executado na Indonésia serão transportadas para o Rio

Tia de Marco Archer esteve com ele antes da execução, realizada neste sábado

O corpo do brasileiro Marco Archer, executado neste sábado na Indonésia, foi cremado no país asiático e as cinzas, levadas para o Rio de Janeiro pela advogada Maria de Lurdes Archer Pinto, tia de Marco. Única parente viva do brasileiro condenado à morte por tráfico de drogas, Maria de Lurdes esteve com Marco Archer antes da execução.

Após o fuzilamento do brasileiro, a presidenta Dilma Rousseff se disse “consternada” e “indignada” e convocou para consultas o embaixador do Brasil em Jacarta. No meio diplomático, a medida representa uma espécie de agravo ao país no qual está o embaixador. Já o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse que a execução causa “uma sombra” na relação entre o Brasil e a Indonésia.

Em nota, a organização não governamental Anistia Internacional considerou um “retrocesso” a execução de Marco Archer e de mais cinco traficantes de drogas pela Indonésia. Eles são os primeiros presos executados desde que o presidente Joko Widodo assumiu o cargo.

“Este é um retrocesso grave e um dia muito triste. A nova administração tomou posse prometendo fazer dos direitos humanos uma prioridade, mas a execução de seis pessoas vai na contramão desse compromisso”, disse o diretor de Pesquisa sobre a Região do Sudeste Asiático e Pacífico da Anistia Internacional, Rupert Abbott.

Leia também:

Quase 1.000 brasileiros estão presos por tráfico de drogas em outros países

O carioca Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, foi o primeiro brasileiro executado por crime no exterior. Ele foi preso em agosto de 2003, quando tentou entrar na Indonésia, pelo aeroporto de Jacarta, com 13,4 quilos de cocaína escondidos em uma asa-delta desmontada em sete bagagens. Ele conseguiu fugir do aeroporto, mas foi localizado após duas semanas, na Ilha de Sumbawa. Archer confessou o crime e disse que recebeu 10.000 dólares para transportar a cocaína de Lima, no Peru, até Jacarta. No ano seguinte, ele foi condenado à morte.

Fuzilamento – Um grupo de doze policiais da elite da Polícia indonésia é destacado para fuzilar cada condenado à pena de morte na Indonésia. Neste sábado, o país executou seis condenados – quatro homens e duas mulheres, entre eles o brasileiro Marco Archer Moreira. Cada condenado é amarrado vendado ou encapuzado a uma estaca. O primeiro grupo de executados em 2015 foi alvejado simultaneamente às 00h30 de domingo, horário local.

(Com Agência Brasil)