Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Chavistas invadem Parlamento e ferem deputados da oposição

Três parlamentares foram agredidos na cabeça

Por Da Redação Atualizado em 7 jul 2017, 11h23 - Publicado em 5 jul 2017, 17h03

Enquanto a Assembleia Nacional da Venezuela votava nesta quarta-feira (05) a convocação de um referendo para questionar a Constituinte convocada pelo governo, um grupos de simpatizantes do regime chavista invadiu a Casa e agrediu os deputados da oposição.

Os políticos classificaram o ato como um “assalto” e uma “provocação para gerar violência”. O presidente Nicolás Maduro, por sua vez, condenou a invasão de seus partidários e ordenou uma investigação dos fatos.

O primeiro-vice-presidente da Assembleia, Freddy Guevara, informou que a convocação do referendo foi aprovada, e que o povo será chamado a decidir “o destino do país” no próximo dia 16.

Continua após a publicidade

Violência – Na invasão, dezenas de pessoas, algumas encapuzadas, com pedaços de pau nas mãos e vestidas de vermelho, tomaram os jardins do Palácio Legislativo e detonaram rojões. Um dos agressores portava uma arma de fogo. Os deputados Américo de Grazia, Nora Bracho e Armando Armas foram agredidos na cabeça, segundo a deputada Yajaira de Forero. Outros dois funcionários da Assembleia também ficaram feridos.

O vice-presidente Tareck El Aissami esteve nesta quarta-feira no Legislativo, acompanhado do ministro da Defesa e chefe da Força Armada, Vladimir Padrino López, para celebrar o Dia de Independência do país, firmada há 206 anos, — em uma cerimônia que não estava prevista na agenda. Ele discursou por 15 minutos, acusando a oposição de “sequestrar” o Poder Legislativo. Os adversários de Maduro dominam a Casa, com folga, desde sua esmagadora vitória nas urnas em dezembro de 2015.

Referendo contra Constituinte

A crise recente começou depois que Maduro retirou os poderes da Assembléia Nacional – de maioria opositora – e se agravou com a convocação de uma nova Constituinte para o dia 30 de julho. O objetivo é reformar a Constituição para evitar eleições diretas, nas quais o governo sairia derrotado.

Durante os protestos, mais da metade das 85 vítimas fatais do conflito foi atingida por tiros disparados pelos três diferentes organismos de repressão: a polícia, a guarda nacional bolivariana e os grupos paramilitares, conhecidos como colectivos. Além das mortes, o número de presos políticos quadriplicou nos últimos meses e chegou a quase 400 pessoas.

(Com agências)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)