Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Chávez: mais bobagens em Doha

Por Da Redação
31 mar 2009, 07h35

A chegada do ditador venezuelano Hugo Chávez a Doha, no Catar, para uma reunião entre países sul-americanos e árabes, nesta terça-feira, foi marcada por novas declarações inusitadas do líder populista. Chávez criticou abertamente a presidente de um próspero país de seu continente, enquanto defendia em público o líder de um país onde acontece uma das maiores tragédias da humanidade nesta década.

Chávez acusou a presidente do Chile, Michelle Bachelet, de colocar em perigo a unidade sul-americana por ter convidado para a reunião “progressista” de Viña del Mar os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. “Há uns progressistas por aí que não entendo. Não faz nada bem à unidade da América do Sul quando a presidente do Chile convoca uma reunião com o vice-presidente dos Estados Unidos e o primeiro-ministro britânico”, disse ele em referência a Joe Biden e Gordon Brown.

Segundo o venezuelano, Biden e Brown são “dois representantes dos impérios” e o convite a eles “coloca em perigo a unidade sul-americana”. Chávez fazia referência à Reunião de Cúpula de Líderes do Progressismo que aconteceu no sábado na cidade litorânea chilena de Viña del Mar, que teve a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula também recebeu o britânico Gordon Brown em Brasília.

‘Genocídio’ – Depois de reclamar de Bachelet, Chávez defendeu o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, alvo de um pedido de prisão da Corte Penal Internacional (CPI), e pediu que o tribunal prenda o ex-presidente americano George W.Bush por “genocídio”. “Por quê não ordenaram a captura de Bush? Por quê não ordenaram a captura do presidente de Israel?”, disse, ao comentar a ordem de detenção por crimes de guerra e contra a humanidade em Darfur.

Continua após a publicidade

“Vão buscá-lo, é um genocida”, completou Chávez a respeito de Bush, ainda o alvo preferido de seus discursos populistas. “A ordem de prisão contra Bashir é um despropósito jurídico e um desrespeito aos povos do terceiro mundo.” A guerra civil em Darfur provocou 300.000 mortes desde 2003, segundo a ONU. O governo sudanês comandado por Bashir diz que foram 10.000 os mortos, além de 2,7 milhões de deslocados.

(Com agência France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.