Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Charles Taylor é transferido para prisão da Grã-Bretanha

Ex-presidente da Libéria foi condenado a 50 anos de prisão por crimes contra a humanidade

Por Da Redação - 15 out 2013, 11h20

O ex-presidente da Libéria Charles Taylor foi transferido nesta terça-feira para a Grã-Bretanha e entregue a autoridades prisionais do país, segundo informações da rede BBC. Condenado por crimes contra a humanidade, Taylor foi sentenciado a 50 anos de prisão pelo Tribunal Especial para Serra Leoa (Tesl).

As autoridades da Grã-Bretanha não revelaram para qual presídio Taylor foi transferido. No início do mês, o ex-presidente chegou a pedir para o tribunal para que a sentença fosse cumprida em Ruanda, na África, para facilitar as visitas de sua família, mas o pedido foi recusado.

Leia também:

Justiça: condenação de Taylor abre importante precedente

Publicidade

Charles Taylor, o homem que afundou uma região no terror

Um acordo entre Tesl e a Grã-Bretanha determinou que ele cumpra a pena no país europeu. O tribunal já havia sido montado em Haia, na Holanda, por temor que um julgamento em solo africano causasse protestos em países da região.

Taylor está preso desde março de 2006. Segundo o tribunal, o período que ele permaneceu preso será abatido da sentença do ex-presidente de 65 anos. Ele foi considerado culpado em abril de 2012 por apoiar e estimular uma campanha de terror nos anos 90 para assumir o controle de Serra Leoa, país vizinho à Libéria, abastecendo com armas, munições e ajuda logística a Frente Revolucionária Unida (FRU), em troca de diamantes. No final de setembro, a corte decidiu manter a decisão.

A condenação do ex-presidente foi considerada um marco, já que foi a primeira vez desde a II Guerra Mundial que um ex-chefe de estado foi condenado por crimes contra a humanidade por uma corte internacional.

Publicidade

O Tribunal Especial para Serra Leoa foi formado em 2002 pelo governo do país, e contou com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU).

Publicidade